* Acompanhando este episódio do movimento encabeçado pelos prefeitos e vereadores de Poços e da região para tentar barrar a vinda de mais lixo radioativo para o depósito da INB, lembro de um episódio na gestão do ministro Aureliano Chaves como titular do Ministério das Minas e Energia e hoje presenciando o mesmo drama.

* Para tentar barrar a vinda de lixo radioativo para ser depositado na INB, em Caldas, o então deputado Carlos Mosconi viajou para Brasília e levou com ele o repórter Afonso Celso, da Rádio Cultura, para acompanha-lo em uma audiência com Aureliano Chaves, ministro das Minas e Energia. Mosconi narrou para o ministro a preocupação com a vinda do material radioativo e a preocupação das cidades mais próximas a INB e pediu ajuda do ministro para resolver a situação.

* De imediato, Aureliano Chaves respondeu que iria intervir para acabar com o transporte do material que estava sendo transportado para cá. Mosconi pediu então se o ministro poderia gravar uma entrevista com o repórter para dar uma satisfação aos moradores de Poços e região. Aureliano gravou, confirmou que tomaria providência, a reportagem foi para o ar e o transporte do material interrompido. Esta entrevista deve constar nos arquivos da emissora até hoje.

* Isso demonstra, mais uma vez a falta que faz um deputado que represente a cidade e a região na Câmara Federal. E se não elegermos um novo representante em Brasília, continuaremos relegados ao ostracismo, sem força política para reivindicar ajuda do governo federal, para solução de qualquer problema ou mesmo pleitear recursos para o município. Essa é a grande verdade para a qual a população precisa ser conscientizada.

* Mosconi já declarou mais de uma vez que está fora do jogo e que não disputar´[a mais nenhum cargo eletivo. Geraldo Thadeu parece ter a mesma posição. Então precisamos de união e escolher alguém com raízes na cidade para representar Poços e a região em Brasília. Quem? Aquele que tiver carisma e perfil para ser candidato e que tenha uma boa penetração em cidades da região. Fora disso, Poços continuará no ostracismo, sem protagonismo e andando para trás, se repetir o que aconteceu nas duas últimas eleições.