* Proprietários de restaurantes continuam reivindicando, sem sucesso, a extensão do horário de funcionamento no período noturno. “Nove horas da noite é quando meus clientes estão chegando para jantar, se a determinação do comitê é fechar neste horário, é melhor eu nem abrir a noite”, queixa um empresário que viu sua clientela diminuir mais de 60%.

* Parece que virou moda na administração municipal. Quando alguém faz alguma consulta sobre determinado projeto que não é de interesse do executivo ou exige uma análise mais profunda para saber se o pedido possui amparo legal, o titular da pasta costuma dar a mesma resposta, “olha, eu gostaria de ajudar, mas você sabe, o Ministério Público (está de olho na gente, não posso arriscar”.

* E’ uma meia verdade, o Ministério Público está sim, de olho e fiscalizando todos os atos do executivo municipal. Mas só interfere naquilo que é ilegal, que não possui amparo em leis. Quem cumpre a lei não precisa ter medo do Ministério Público.

* Moradores de Poços de Caldas que assistiram o jornal da EPTV, segunda edição de sábado, devem ter se decepcionado mais uma vez com nossas lideranças politicas.. O prefeito de Pouso Alegre, Rafael Simões, ao lado do empresário Fernando Marques, presidente da União Química, anunciou a compra de 400 mil doses da vacina Sputnik para a população daquela cidade e municípios vizinhos.

* E como já publicamos no blog, o empresário é amigo de longa data do secretário de saúde Carlos Mosconi e também do ex-deputado Geraldo Thadeu, que integra o Conselho de Administração da indústria fabricante da vacina. Pelo que se sabe, até agora, nenhum dos dois tomou a iniciativa, para pelo menos tentar o que conseguiu o prefeito de Pouso Alegre.

* Sem falar que o prefeito se mexeu para aderir ao consórcio, formado pela Confederação Nacional dos Prefeitos, para compra de vacinas, só depois que levou um puxão de orelhas dos vereadores.

* “Isso não vai dar em nada porque tudo foi feito dentro da lei. Essa CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) aberta pela Câmara é uma ação politica, só para desgastar o prefeito”, garante um integrante do governo ligado a secretária de administração a respeito das investigações sobre irregularidade no pagamento das férias.