Diney ainda contou que a secretária de Administração, Ana Alice de Souza, afirmou que a informação sobre férias era passada aos secretários verbalmente, já o ex-vice-prefeito, Flávio Faria, na última reunião garantiu que nunca recebeu esta informação. “Parece-me a casa da mãe joana, porque a gente vai juntando as informações. O secretário, como um deus do Olimpo, tinha autoridade de decidir se tirava férias ou não  e ele decidia por não tirar e quando terminava o período de sua gestão ele acabava recebendo esta indenização. Muitos até entendem como um acerto de contas. Deixou o cargo, mas recebeu um dinheiro, que no seu entendimento era legal”, afirmou o relator Diney.