A Câmara Municipal realizou, na tarde da última quarta-feira (28), audiência para discutir a situação do transporte público em Poços. O debate foi proposto pelo vereador DineyLenon (PT), através de requerimento aprovado pelos demais vereadores.

Os secretários municipais de Defesa Social, Administração e Serviços Públicos participaram do evento e apresentaram informações sobre o processo licitatório para contratação da nova empresa, as fases de implantação do serviço, o contrato emergencial que deverá ser feito até que a nova empresa assuma o transporte na cidade, algumas questões pontuais de linhas existentes, entre outros assuntos levantados durante a audiência.

O público encaminhou vários questionamentos através das redes sociais, alguns deles demonstrando preocupação com a situação do transporte após 21 de maio, quando encerra o contrato com a atual empresa. Questões envolvendo o transporte especial para deficientes, o meio passe dos estudantes e a existência de uma proposta de descentralização do Terminal de Linhas também foram pontos abordados.

As empresas Circullare e Floramar não participaram do encontro e encaminharam ofícios à Câmara justificando as ausências. O vereador Diney protestou contra o não comparecimento e alegou que as empresas poderiam complementar o esclarecimento de muitas informações. No entanto, ele ressaltou que a audiência foi muito produtiva. “O Poder Executivo compareceu, respondeu questionamentos e recebeu várias demandas que foram levantadas. Houve o compromisso do secretário de avaliar alguns pontos que abordei, entre eles das pessoas com deficiência para não terem que atualizar dados periodicamente, quando não houver necessidade, e inclusão da gratuidade para seus acompanhantes. Também a questão da colocação de placas com limite de passageiros dentro dos ônibus, conforme a Onda em que estivermos, por exemplo Onda Roxa e Onda Vermelha. Outra sugestão foi de levar ao Comitê Gestor da COVID-19 a preocupação com a capacidade dos ônibus em um eventual retorno das aulas presenciais devido ao transporte escolar. Além da criação de um Conselho que aborde a mobilidade urbana para aprimorar a participação cidadã”, pontuou.

Diney reafirmou, durante a audiência, que o debate é fruto de uma demanda da população que faz uso do transporte e que tem seus questionamentos. “Nós, como representantes do povo, temos a responsabilidade de trazer as demandas para dentro dessa Casa. É um momento importante, quando ouvimos as autoridades, elas ouvem a população e a população tem esclarecimentos. É um debate que traz a questão do ir e vir. Do trabalhador que sai da sua casa para o trabalho com segurança, principalmente nesse momento de pandemia. É responsabilidade do município, como gestor do transporte, fiscalizar o serviço prestado, aprestar dados que embasem a construção das planilhas de custos e prestar esclarecimentos”, disse.

O vídeo da audiência pública está disponível para consulta na página da Câmara no YouTube.