* A vereadora Regina Cioffi afirmou que todas as vezes que se vota contra alguma coisa na Câmara, os vereadores vão parar nas redes sociais. “Quando a gente cede, como é neste caso da Moção de Apelo, aí não. Isto está ficando ruim para esta Casa. Não é ruim para nós que muitas vezes votamos contrário por ser uma opinião pessoal e por ter mais conhecimento da matéria em discussão. Se continuar desta maneira, onde está a democracia? Fala-se em democracia, em liberdade de expressão e na hora que você vota contra vão para a rede social nos xingando. Pra que isso?”,  protestou a vereadora.

* “Nós somos adultos, nós somos políticos, vamos crescer na política. Eu estou ficando indignada. Não existia isso nas outras legislaturas que eu participei. Tínhamos outros problemas, mas não a degradação da Câmara porque somos contra alguma coisa”, desabafou Regina, solicitando ao presidente e ao corregedor que coloquem “as coisas nos trilhos”.

* O prefeito Sérgio Azevedo postou vídeo em sua página na rede social dizendo que atendendo ao pedido dos 12 vereadores, que estão alinhados com o seu governo na busca por soluções para socorrer a população prejudicada pela pandemia, serão disponibilizados mais dois dias para quem não conseguiu fazer o cadastro para o auxílio emergencial municipal. “Este cadastro irá acontecer na Urca e no PMJ João Monteiro, na zona sul, na quinta e sexta-feira. Fica o alerta para quem se enquadra nos quesitos e ainda não se cadastrou”, alertou o prefeito.

* O secretário de saúde, Carlos Mosconi, afirmou que, felizmente, estamos conseguindo um grande percentual da população vacinada em Poços, acima de 50% na primeira dose e aproximadamente 20% na segunda dose. “Eu espero que a vacina chegue a número razoável, expressivo, porque é essa a solução. A gente avança na vacina, os números da pandemia caem. É uma coisa evidente.

* O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais tem recebido muitas denúncias, inclusive com cópias de textos e áudios, de pessoas atacando os profissionais da educação. “Infelizmente, muitas pessoas têm usado as redes sociais para ofender e tentar ridicularizar o trabalho desses profissionais que não deixaram de cumprir com suas responsabilidades, mesmo de forma remota e se virando com recursos próprios”, afirmou a direção da entidade.