* Com a presença dos vereadores (todos serão convidados) o prefeito Sérgio Azevedo deve assinar nesta segunda-feira o projeto de lei que cria o programa Recupera Poços, aprovado por unanimidade em reunião extraordinária realizada pela Câmara na quinta-feira. É mais uma ação que demonstra a nova fase do poder legislativo que se une para apoiar o executivo quando se trata de uma ação que beneficia a população de forma coletiva.

* Com a publicação da lei que oficializa o programa Recupera Poços, a Secretaria da Fazenda fica autorizada a efetuar o pagamento do primeiro subsídio de R$ 350 mil a empresa Circullare para compensar a redução da tarifa no transporte coletivo em 25 centavos.  Devido ao atraso a concessionária, segundo a cláusula quarta do contrato emergencial poderia ter elevado a passagem para R$ 4,70, mas o bom sendo prevaleceu e a direção da empresa optou por aguardar a aprovação da lei para ser reembolsada pelo prejuízo.

* O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), convocou uma reunião para a tarde desta segunda-feira com representantes do Ministério Público Federal, Ministério Público de Minas Gerais e Defensoria Pública, para discutir uma alternativa que ajude a destravar o acordo para distribuição da verba que o Estado recebeu da Vale como compensação de reparação pelo rompimento da barragem em Brumadinho.

* A encrenca entre o governo e os deputados está na transferência de R$ 1,5 bilhão para as 853 prefeituras do estado. O governador está de acordo, mas insiste para que o dinheiro tenha destino certo para ser gasto pelos prefeitos. O mais importante é que o dinheiro, carimbado ou não, será transferido para as prefeituras e chega em boa hora. Poços de Caldas vai colocar nos cofres municipais R$ 7 milhões, um bom dinheiro considerando as dificuldades financeiras por que passa a prefeitura local que está sem recursos para investimentos.

* O governo estadual poderia aproveitar o reforço de caixa que vai receber deste acordo com a Vale (R$ 37 bilhões), para pagar também a dívida no valor de R$ 7 bilhões que deve aos municípios na área da saúde que datam desde o ano de 2014. Poços tem a receber mais de R$ 9 milhões e boa parte desse dinheiro tem como destino final o repasse para o hospital da Santa Casa.

* Com os R$ 7 milhões que o município vai receber referente a sua parte do acordo entreo Estado com a Vale, e como este dinheiro não constava da previsão orçamentária para este ano, o prefeito Sérgio Azevedo poderia utilizar o dinheiro para investir pelo menos no início da construção de uma das duas vias estruturais que constam do Plano Diretor, uma na zona leste ligando os bairros desde o Dom Bosco até o Jardim Itamarati (Parque Pinheiros) e a outra na zona oeste ligando o setor com a Rodovia do Contorno.

* Claro que o recurso é pouco para qualquer uma das duas vias, mas vale lembrar que no passado, o prefeito José Aurélio iniciou a construçãoda Rodovia do Contorno, concluída na gestão seguinte do prefeito Luiz Antonio. Navarro deu início a obra de duplicação da Avenida Wenceslau Brás, que foiconcluída na gestão do prefeito Luiz Antonio. Assim como a duplicação da Av.. Alcoa que começou na gestão do prefeito Paulo Tadeu e terminou na gestão sucessor, Sebastião Navarro. Se o prefeito Sérgio der início a qualquer uma dessas duas importantes obras viárias marcará sua passagem pelo comando do executivo como um prefeito que além de reformar praças e jardins, também executou, mesmo que em parte, uma grande obra viária.