* Segundo Laier, “se você vai operar mais anos uma refinaria este investimento é primordial. No caso de Poços, vai diminuir o passivo da Alcoa, além de ganhar dinheiro com a continuidade das operações de químicos por mais anos. O projeto dos filtros de prensa para Poços está em processo de elaboração/aprovação desde de 2013. Por outro lado, Hydro, CBA e Alumar já operam os lagos com filtro prensa. Não é uma novidade hoje”.

* Está travado, sem acordo, na Assembleia Legislativa, o Projeto de Lei 2.508/21, que discute como será a destinação de 30% dos R$ 37,7 bilhões que serão pagos pela Vale para reparação de danos causados pela tragédia de Brumadinho. Ele está em tramitação na Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa, porém, a reunião marcada para esta segunda-feira foi suspensa.

* Os deputados já tinham um acordo praticamente fechado com o governador Zema, porém mudanças de última hora colocou água no chopp dos deputados que já tinham acertado inclusive o repasse de alguns milhões para os municípios não mineradores. No caso de Poços de Caldas, com população acima de 150 mil habitantes, a prefeitura seria beneficiada com R$ 7 milhões, segundo informação da assessoria parlamentar do deputado Mauro Tramonte.

* Como as negociações estão emperradas na Assembleia, o governo do Estado está pressionando deputados para votarem a favor do projeto original enviado pelo governo. Ontem, o coordenador regional do Novo em Poços, André Vilas Boas postou no Instagram, mensagem cobrando posição do deputado Mauro Tramonte que segundo declaração do assessor DemiltonVacarelli, vota a favor, desde que os recursos sejam liberados para os municípios, dentre eles, Poços de Caldas, sua cidade.

* Cá prá nós, caso o acordo entre deputados e governo ainda dê certo, quem vai gostar é o prefeito Sérgio Azevedo que na pindaíba em que andam os cofres municipais, R$ 7 milhões seria uma ajuda e tanto. Daria, inclusive para cumprir a promessa de recuperar o asfalto nas principais ruas e avenidas da cidade que já não suportam mais os remendos do tapa-buracos. Como gratidão pela ajuda, o prefeito poderia até pagar um chopp para o deputado Tramonte.

* A Associação Mineira de Municípios (AMM) informou ontem que também é favorável ao repasse de R$ 1,5 bilhão do acordo com a Vale para as prefeituras de forma direta, sem burocracia. Essa forma de transferência direta também é defendida pelos deputados estaduais. O presidente da AMM, Julvan Lacerda, apresentou uma proposta para tentar destravar o impasse entre o Palácio Tiradentes e a Assembleia Legislativa de Minas Gerais sobre o tema.

* Para atender aos objetivos do acordo com a Vale, Lacerda propõe que os recursos só possam ser utilizados para investimentos de capital, isto é, em compra de veículos, construção de creches e escolas, pavimentação de vias, entre outras obras e ações. Os deputados também já haviam manifestado a intenção de limitar o uso do recurso dessa forma.