A convite do amigo Paulo Cesar Silva (Paulinho Courominas), Diretor-Presidente do Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE), e do jornalista William de Oliveira, assessor de comunicação,estive ontem visitando a sede da autarquia responsável pelo setor de saneamento básico do município.  Além deles fui recebido com muita atenção pelo Gerente/Financeiro, Maurício Kato da Silva e Wellington Gammarano Alves Rangel, Supervisor de Expansão e Manutenção.

Num bate-papo de mais de duas horas fiquei informado sobre as inúmeras ações que estão sendo desenvolvidas pela direção do DMAE no sentido de oferecer aos consumidores e à população de maneira geral, um serviço com qualidade ainda melhor do que já oferece desde quando foi fundada, em setembro de 1965. Um dos setores que mais evoluiu na autarquia na atual gestão foi o de informática e hoje são muitas as alterações introduzidas em todos os sentidos, desde melhor controle no abastecimento de água, até o atendimento aos consumidores que agora não precisam mais se dirigir pessoalmente ao setor de atendimento para obter informações, requerer segunda via de contas e esclarecer dúvidas. Tudo pode ser feito no celular com um simples toque bastando acessar o whatsapp, embora continue funcionando também o call center e o atendimento presencial.

Uma das preocupações do diretor e da sua equipe está na falta de chuvas, que podem comprometer o abastecimento, embora esteja sendo preservado um bom volume nas represas para evitar que isso venha a ocorrer a partir do mês de outubro, caso não chova até lá.

Outra grande preocupação está no trabalho para a redução de perda de água tratada que estava em 45% e com este trabalho já foi reduzida para algo em torno de 37%, embora a meta seja uma redução ainda maior. “Do que adianta tratar água se estamos desperdiçando uma boa parte?”, diz o diretor com sua experiência de ex-prefeito.

Com as alterações introduzidas na melhoria das redes tanto de água como de esgoto, além de aquisição de novos equipamentos para evitar problemas como o registrado em anos anteriores, como a queima de motores das estações elevatórias e nas estações de tratamento, este ano as coisas estão mais tranquilas, declarou Paulinho.