Vereador quer informações sobre tarifa branca

Durante a última reunião ordinária da Câmara do dia 26, o vereador Ricardo Sabino (PSDB) apresentou um requerimento solicitando informações ao DME sobre o estabelecimento da tarifa branca de energia em Poços. A proposição, aprovada por unanimidade pelos vereadores, aborda, entre outras questões, a necessidade de uma maior divulgação dessa modalidade.

Antes da votação, o parlamentar ressaltou que o objetivo do requerimento é saber do Departamento Municipal de Eletricidade o número de adesões à tarifa branca e, ainda, conscientizar a população sobre essa medida. “Quero entender se o DME tem divulgado essa iniciativa, uma vez que em tempos de economia financeira ela é importante. A intenção é, também, propor uma conscientização da população sobre o assunto, porque a modalidade da tarifa branca permite que os consumidores paguem até 13% mais barato na sua conta de energia. A tarifa branca já existe há algum tempo, em âmbito federal, mas é muito pouco divulgada. As pessoas precisam conhecer essa medida e analisar se é viável dentro do seu consumo”, disse.

De acordo com informações do requerimento, a tarifa branca é uma nova opção que sinaliza a variação do valor da energia conforme o dia e o horário do consumo. Ela é oferecida para as unidades consumidoras que são atendidas em baixa tensão (residências e pequenos comércios, por exemplo). O documento aponta, ainda, que em 2019 deverão ser atendidas unidades com consumo médio superior a 250 kWh/mês.

Sabino destacou que, com a tarifa branca, o consumidor passa a ter a possibilidade de pagar valores diferentes em função da hora e do dia da semana em que utilize a energia elétrica. “Caso o consumidor adote hábitos que priorizem o uso da energia nos períodos de menor demanda, a tarifa branca oferece a oportunidade de reduzir o valor pago. Vale a pena para aqueles que conseguem concentrar seus gastos, como chuveiro, máquina de lavar e ferro de passar, durante o dia, pois até as 17h59 a tarifa fica mais barata. Depois, das 18h às 21h fica mais cara, é chamado horário de pico. Após as 22h, volta a tarifa mais em conta novamente”, pontuou.

No requerimento, o legislador questionou também qual o prazo para instalação do novo medidor nas residências que queiram aderir à nova modalidade. A proposição aprovada está disponível para consulta no Portal da Câmara.

Fechar Menu