Velhos tempos

Poços de Caldas registrou neste final de semana as temperaturas mais baixas dos últimos anos, voltando aos tempos em que a cidade amanhecia coberta de gelo e fazia a alegria dos turistas e de boa parte dos seus moradores que gosta de temperatura baixa.O cenário se transformou em um cartão postal da cidade e a propaganda servia para atrair milhares de turistas neste mês de férias, principalmente.

Uma pena que não conta mais com uma estação meteorológica oficial, e por cota disso. a cidade já não figura nos noticiários regionais como ponto de referência, embora registre temperaturas até mais baixas que outras cidades que são monitoradas pelo Instituto Nacional de Meteorologia. (INMET).

O fato de aparecer nos principais noticiários da grande imprensa como uma das cidades a registrar temperaturas próxima ou abaixo de zero servia como propaganda para atrair milhares de turistas que gostam de curtir o frio e o clima gelado das montanhas.

Também não se faz mais propaganda da cidade no período que antecede as férias, em emissoras de televisão com abrangência nas principais cidades de origem dos nossos turistas, despertando a atenção dos telespectadores para as atrações do Julho Fest. Isso era feito em administrações anteriores, normalmente em parceria com o sindicato de hotéis. A única divulgação hojeé focada no público interno.

Nem parece que temos uma secretaria de turismo que deveria tratar desses assuntos. Se bem que dia desses, conversando com a proprietária de um hotel no centro, que reclamava do barulho na frente do seu estabelecimento, um integrante da administração foi curto e grosso: não governamos para os turistas. Então, tá.

 

Previdência municipal

Pelo andar da carruagem, o projeto de lei que seria enviado a Câmara Municipal estabelecendo o regime estatutário para os novos concursados que ingressam no quadro de pessoal da prefeitura não deve ser encaminhado ao legislativo este ano.

Pela simples razão de que para entrar em vigor o novo regime jurídico obrigaria o município a criar um instituto de previdência próprio e depositar neste fundo a parte que hoje deveria, mas não é, recolhida ao INSS, referente a parte do empregador.

No caso do regime estatutário, esse recolhimento passaria a ser para um instituto que teria como principal finalidade garantir a aposentadoria dos servidores que aderirem ao regime. Segundo informação do prefeito Sérgio Azevedo, a ideia era começar com os novos contratados sendo obrigados a optar por este regime, enquanto que para os demais servidores, regidos pela CLT, haveria um incentivo para a mudança.

Na pindaíba em que anda a administração, sem dinheiro até para recolher a parte do empregador ao IASM, tudo leva a acreditar que esta será outra das promessas que pode ficar para o próximo governo. Lembrando que hoje o comando da administração esteja entregue a três servidores de carreira.

Fechar Menu