“Eu nem imaginava que pudesse surgir o programa Valora Minas, até porque nunca se falou nisso, o Estado nunca nos procurou para falar sobre o programa. Em setembro desse ano que o Estado, através da Regional de Saúde, de Pouso Alegre, nos procurou sobre a questão cardiológica. Eu informei que o hospital, no setor de alta complexidade em cardiologia não reúne condições para assumir e não temos como substituir a demanda que hoje é feita pelo Santa Lúcia”, declarou Ricardo Sá.

Mas, disse o diretor da Santa Casa que informou sobre o planejamento, e se quisessem poderia assumir o atendimento de cardiologia de atenção primária, que é aquela que tira o individuo do risco e faz o primeiro atendimento, explicou o diretor da Santa Casa.