Portal de Notícias e Web Rádio – CNPJ 44.219.101/0001-23

Embora algumas lideranças políticas que estiveram em Belo Horizonte, acompanhando o diretor do hospital Santa Lúcia para um encontro com o Secretário de Saúde do Estado, tenham postados mensagens e vídeos nas redes sociais informando que o hospital irá permanecer na rede estadual de urgência e emergência para infarto e AVC, o impasse ainda não está solucionado e depende de o Estado encontrar uma saída legal para que o serviço continua com o hospital.

O Santa Lúcia, transformado em Hospital do Coração, embora contando com corpo clinico composto por experientes profissionais e equipamentos de última geração, está credenciado pelo Ministério da Saúde apenas para tratamento e cirurgias cardíacas, assim como para hemodinâmica da circulação do sangue e não para o serviço de urgência e emergência cardiológica.

A chamada “porta de entrada”, ou seja, o setor de urgência e emergência para atendimento de infarto e AVC, é um serviço que o hospital presta legalmente e recebe por isso, R$ 200 mil mensais. A autorização dada ao hospital para este tipo de procedimento é resultado de uma PPI (Programação Pactuada Integrada), desenhada através da CIB (Comissão IntergestoraBi-partite) formada pelo Município e o Estado para atendimento de emergência cardiológicas agudas.

Com o lançamento do programa “Valora Minas” pela Secretaria de Saúde do Estado, atendendo a dispositivo legal, o serviço deve passar a ser realizado também pela Santa Casa, que é o único hospital filantrópico credenciado na cidade e região há muitos anos para atendimento de urgência e emergência nível três, que abrange também o setor de cardiologia aguda. A transferência se deve ao fato de o hospital Santa Lúcia pertencer a propriedade privada, estando impedido de receber recurso público para este tipo de prestação de serviço, o que não acontece com a Santa Casa.

Até ontem, o secretário de saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti, embora tenha recebido as lideranças politicas em seu gabinete, não se pronunciou oficialmente sobre o assunto. Nenhuma fala oficial do secretário foi divulgada, o que se espera seja feito nos próximos dias e uma informação passada em off ao blog confirma que durante a reunião com as lideranças da região, mais e o diretor do hospital, em momento algum o secretário afirmou que o Santa Lúcia continuará com o serviço.

Como o hospital da Santa Casa já está credenciado para urgência e emergênciaa direção do hospital já deu início aos preparativos para ampliar o atendimento também para casos de cardiologia aguda, estando preparando a estrutura e contratando profissionais para este tipo de atendimento. O hospital só não está credenciado pelo Ministério da Saúde para a continuidade do tratamento, assim como procedimentos hemodinâmicos cardiológicos e cirurgias, que continuam com o Santa Lúcia.