Portal de Notícias e Web Rádio – CNPJ 44.219.101/0001-23

Não faz muito tempo, a INB – Indústrias Nucleares do Brasil – substituiu as telhas de cobertura e do fechamento lateral do galpão utilizado para estocagem de Torta II na Unidade em Descomissionamento de Caldas (UDC). O serviço terminou em junho deste ano, um mês depois do início.

A troca foi programada devido à necessidade de renovação nas telhas que cobrem o galpão onde estão armazenados tambores com Torta II, resíduo proveniente do tratamento químico do minério da monazita que precisa ser estocado seguindo normas de segurança.

A troca das telhas, além de preservar as toneladas de rejeitos radioativos que estão armazenados no complexo da INB no Campo do Cercado, município de Caldas, pelo que foi divulgado esses dias pela jornalista Tania Malheiros, em seu blog, tem também como objetivo, preparar o local para estocar outras toneladas de rejeitos radioativos (Torta II) armazenados há 20 anos num galpão da Usina de Interlagos (USIN), em São Paulo, da mesma estatal.

Em breve todo esse material radioativo deverá ser transportado para o distrito de Buena, em São Francisco de Itabapoana (RJ), e depois, para Caldas. Documentos da Procuradoria da República do Ministério Público Federal (MPF-SP), obtidos pela jornalista, mostram que este ano a transferência deve começar para Buena, porque “existe orçamento federal para os custos da logística” e já foram tomadas as providências junto ao Ibama e a Comissão Nacional de Energia Nuclear

A USIN estoca rejeitos radioativos, herança maldita da Nuclemon, no Brooklin (SP), onde desde os anos 1970, o governo operou com urânio e tório extraídos das terras raras das areias monazíticas subtraídas do litoral brasileiro. Com o encerramento das atividades da Nuclemon, em 1992, uma grande parte do material radioativo foi levado para Caldas.A Prefeitura de Caldas, no entanto, já avisou que não aceitará mais essa remessa de material contaminado.

Segundo nota publicada no site da prefeitura “há algum tempo estamos monitorando e recentemente fomos surpreendidos por um ofício do Ministério Público Federal em São Paulo, dando conta sobre a intenção da INB em depositar materiais e rejeitos radioativos daquele estado em Caldas. Desde então estamos empenhando todos os esforços necessários para que isso não ocorra”, diz a nota. (foto INB).

A vereadora Regina Cioffi (PP), presidente da Comissão das Águas que sempre se preocupou com este problema, vai usar a tribuna na sessão desta tarde para falar sobre o assunto e solicitar uma união de esforços entre os municípios de Caldas e Poços no sentido de tentar barrar a transferência de mais rejeitos radioativos para o depósito da INB onde estão localizadas nascentes que abastecem o Rio das Antas que atravessa Poços de Caldas, passando pela Represa Bortolan e Véu das Noivas.