Reforço de caixa

Em janeiro, segundo notícia da grande imprensa, o Tesouro Nacional pagou R$ 564.05 milhões de atrasados para os estados. Deste total, R$ 459,3 milhões vieram para Minas Gerais, que por sua vez, deixou de repassar para os municípios R$ 1 bilhão, em recursos que pertencem às prefeituras. Ou seja, Romeu Zema criticou, mas repete o que fez o seu antecessor, aplicando calote nos municípios.

Na edição de hoje do jornal O Tempo, o prefeito de Montes Claros, Humberto Souto critica o atual governador por estar repetindo o que fez Pimentel, se apropriando de um dinheiro que pertence aos municípios. Segundo Souto, Romeu Zema deixou de repassar em janeiro, 50% dos recursos que pertencem às prefeituras.

Na mesma linha o prefeito de Betim, Vitório Mediolli, afirma que Zema deveria priorizar o diálogo com os prefeitos, ao invés de permanecer encastelado ouvindo apenas alguns assessores que já demonstraram ser incompetentes para os cargos que ocupam.

Os dois prefeitos também criticaram o Banco do Brasil, corresponsável por transferir os recursos para o Estado ao invés de depositar diretamente nas contas dos municípios. Sobrou até para o Tribunal de Justiça e para os deputados da Assembleia Legislativa que, segundo eles, permanecem de braços cruzados diante do calote aplicado pelo governo do estado.

Fechar Menu