A Câmara de Poços promoveu, no dia 05 de abril, a palestra Dialogando sobre o Autismo. O evento aconteceu no formato online, com transmissão ao vivo pelas redes sociais do Legislativo, atendendo a um requerimento da vereadora Luzia Martins (PDT). O tema foi discutido pela presidente do Instituto A Camila Nogueira e pela médica psiquiatra e psicanalista Dra. Letícia Lessa.

O dia 02 de abril foi escolhido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Dia Mundial de Conscientização do Autismo e, para dar maior visibilidade ao tema, foi criada a campanha Abril Azul. O objetivo é promover ações de inclusão, bem como discutir políticas públicas voltadas ao Transtorno do Espectro Autista (TEA). Durante o encontro realizado pela Câmara, as palestrantes falaram sobre leis municipais já aprovadas, projetos futuros, principais demandas, acompanhamento após diagnóstico, trabalho, habitação, entre outros temas.

A empreendedora social e presidente do Instituto A Camila Nogueira ressaltou a importância de falar sobre o tema. Para ela, as pessoas precisam mudar a forma de ver os autistas. “A primeira coisa a dizer é a importância de falar sobre autismo, não só no dia 02 de abril, mas principalmente no dia 02. A ONU criou para isso, para falarmos de autismo. É um diagnóstico muito novo, muito recente, o primeiro autista diagnosticado estava vivo até esses dias. Ainda é uma novidade e por isso a necessidade tão forte de falar sobre. O entendimento do autismo, a gente não usa a palavra cura porque não é doença, é um transtorno, ele tem que ser social. O dia em que as estereotipias de uma pessoa com autismo, a ecolalia, os gritos, não assustarem outras pessoas ele vai estar incluído na sociedade. A gente tem que mudar a forma de ver os autistas”, enfatizou.

Camila pontuou alguns avanços na área, entre eles a Lei Federal Berenice Piana (n. 12.764/12), que criou a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista, o próprio Estatuto da Pessoa com Deficiência e a Lei Romeu Mion, que cria a Carteira de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. No âmbito municipal, ela citou a lei que instituiu o mês Abril Azul, a que propôs a iluminação na cor azul do Cristo Redentor e, ainda, a inserção do símbolo do autismo nas placas de prioridade, que era uma demanda antiga.

Segundo a presidente do Instituto A, apesar de todos os encaminhamentos, é preciso dar continuidade às ações. Entre os projetos que pretende apresentar, ela comentou sobre a possível isenção de IPTU, fato que já acontece em muitas cidades do país, e a formalização do cargo de Auxiliar de Educação Inclusiva nas escolas municipais. A longo prazo, ela falou da implantação das residências inclusivas e terapêuticas.

Os primeiros sinais de diagnóstico do autismo, o acolhimento, o acompanhamento pela Saúde e Educação, o uso de medicamentos, entre outros assuntos foram abordados pela médica psiquiatra Dra. Letícia Lessa. “O Transtorno do Espectro Autista compreende uma condição relacionada ao neurodesenvolvimento em que há comprometimento da linguagem, comunicação e interação social em variados níveis de gravidade. O diagnóstico se dá geralmente na primeira infância e detectar precocemente tem um impacto muito positivo para o logo início das intervenções de saúde e psicossociais necessárias, com o objetivo de reduzir a dificuldade da comunicação, assegurar seus direitos e ampliar a qualidade de vida e bem-estar da pessoa autista. Isso é apenas possível, se como sociedade, estarmos dispostos a lutar pela conscientização e inclusão dessas pessoas, com acesso aos cuidados de saúde e reabilitação na atenção básica e especializada, educação, cultura, lazer, emprego e proteção social”, afirmou.

A vereadora Luzia Martins destacou a importância de trazer as discussões para a Câmara Municipal. “No dia 02 de abril é celebrado o Dia Mundial de Conscientização do Autismo e é muito importante trazer para a Casa pessoas tão engajadas para esclarecerem dúvidas. Isso contribui para reduzir a discriminação e o preconceito, que muitas vezes acontecem pela falta de informações. Queremos abrir as portas para que temas importantes como esse venham acrescentar ao nosso nosso papel de dar voz a todas as pessoas que trabalham em prol do bem comum”, disse.

O vídeo da palestra promovida pela Câmara está disponível na página da Câmara no YouTube.