Dofu lembrou que antes da moção, que tanto gerou discussão na Câmara e que levou o vereador Claudiney Marques (PSDB) para a Corregedoria da Casa, ir a plenário, ele leu e viu que era sobre a atualização de uma lei estadual com punições mais severas quanto a discriminação.

“No meu entendimento, claro que respeitando a opinião dos demais colegas, era desnecessário entrarnesta discussão. Era algo que já estava vetado, uma discussão da esfera estadual, tentei orientar os demais colegas que talvez pudessem causar um desgaste desnecessário para todos nós naquele momento. É um assunto muito complexo, demanda muitos estudos e não caberia discussão em plenário, aqui em âmbito municipal”, afirmou Dofu.

“Posteriormente vimos nas redes sociais as pessoas questionando o fato de deixar de lado tantos problemas na cidade para discutir um assunto que não nos diz respeito. Em minha opinião precisamos pensar em discutir assuntos pontuais. Foi uma opinião pessoal minha, não ouviram e deu no que deu. Acabou num desgaste muito grande. Minha solidariedade ao vereador Claudiney, que foi atacado de uma forma muito desrespeitosa”, afirmou Dofu.