Município se equilibra com falta de recursos

Vice-prefeito Flávio Faria:

Neusa Reis

Com grande dificuldade financeira nos últimos anos, o governo de Minas Gerais vem atrasando os repasses devidos aos municípios do estado. A afirmação é do vice-prefeito Flávio Faria que explicou que Poços de Caldas não foge à regra. Com uma estrutura com mais de 6 mil servidores e com uma folha de pagamento mensal com um peso significativo aos cofres municipais, a Prefeitura tem enfrentado dificuldades por causa do não recebimento desses recursos e se equilibra com planejamento e inovações.

“O governador de Minas fez um acordo com a Associação dos Municípios Mineiros em que vai começar a fazer os repasses a partir do ano que vem e estamos torcendo para que seja mantido este acordo. Além disto, o governo mineiro está tentando normalizar os repasses mês a mês e estamos com uma perspectiva melhor de planejamento”, informou Faria,acrescentando que as pendências não serão solucionadas facilmente, mas que já há um norte  para os municípios.

“É preciso torcer para que tanto o governo federal quanto estadual possam efetuar estes repasses para que o país possa avançar no cenário econômico e ter uma repercussão no dia a dia dos municípios”, defendeu, acrescentando que só no ano passado foram retidos cerca de R$ 90 milhões, dinheiro este carimbado, com destinação certa para algumas áreas como saúde e educação.

“A situação em Minas Gerais não é confortável, demanda um trabalho muito preciso, de equipe”, defendeu.

Professor por profissão, Faria atuou vários anos no Legislativo e é a primeira vez que está no Executivo.  Disse que agora sente na prática a verdadeira diferença entre os dois poderes, já que no Legislativo fazia leis e fiscalizava o Executivo e agora tem o poder de executar.

“Realizar significa ter estrutura para que as coisas possam acontecer. É um grande desafio porque além de prefeito respondo pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, onde enfrento com muita garra e determinação. Gosto desta política de transformação, de construção e desse processo coletivo”, garantiu.

Flávio disse que o momento é atípico e isto acaba tendo um reflexo direto nas ações dos municípios e que para tanto é preciso buscar alternativas, como Poços vem fazendo através de parcerias com a iniciativa privada.

“Uma grande frustração que sempre tive é em relação aos prédios públicos, conservação e manutenção. Através de nossa secretaria temos feito um trabalho com apoio de empresas privadas e realizado grandes intervenções, como a recuperação de escolas que têm dado uma qualidade de vida melhor a comunidade”, explicou.

Ele contou que uma das obras que está sendo realizada com este tipo de parceria é no Jardim Country Club na creche São Francisco,que vai gerar 47 vagas para educação infantil. Outro trabalho realizado desta forma foi no CEI Nilo Mantovani, onde foi construída uma cozinha. Está sendo feita uma obra na Fazenda Lambari, na escola José Avelino de Melo e uma creche no Parque das Nações.

“São várias situações que estão acontecendo hoje no município com parceria público/privada e estamos viabilizando investimentos e dando qualidade de vida para nossas crianças e comunidade”, garantiu.

Faria disse que ao longo dos anos foi amadurecendo e a vida foi lhe ensinando e que hoje no Executivo tem uma visão um pouco diferente da do passado. “O Legislativo tem a sua função e tem que ser respeitado. Eu posso ter uma visão hoje um pouco mais ampla da que eu tinha antes quando só tinha passado pelo Legislativo, isto traz um grau de compreensão e uma avaliação da situação que dá um diferencial e lhe faz entender as políticas públicas do município “, concluiu.

Fechar Menu