Mosconi disse que a ocupação dos leitos tem gerado uma “preocupação danada” e que mesmo assim não pode faltar atendimento. “Quando criamos o Hospital de Campanha diziam que não era preciso e agora vemos que precisamos muito dele, ficou imprescindível neste momento para o acolhimento e tratamento dessas pessoas”, afirmou o secretário.