Portal de Notícias e Web Rádio – CNPJ 44.219.101/0001-23

Após protocolarem no Ministério Público, representação contra a médica Andreá Almeida Magalhães que usou a tribuna livre em uma das sessões ordinárias da Câmara Municipal para defender o tratamento precoce contra a Covid-19, quando chegou a afirmar que se o tratamento fosse adotado em Poços de Caldas, 70% dos pacientes que faleceram em consequência da doença seriam salvos, dez médicos que atuam na linha de frente no tratamento de pacientes graves contaminados pelo coronavirus, liderados pelo Dr. Eduardo Infanti Januzzi de Carvalho, ajuizaram também ação no Judiciário, solicitando explicações da referida médica sobre a sua fala aos vereadores, transmitida ao vivo pela internet e que alcançou boa repercussão nos veículos de imprensa local.,

No documento entregue à Justiça, os médicos afirmam que “ao agir desta forma, os médicos Requerentes se sentiram ofendidos com a fala da médica, tendo em vista haver sérios indícios de que seu intento tenha sido atribuir a eles, que estão atuando na linha de frente do combate sério à doença no nosso Município, nos hospitais de campanha e UTIs especializadas, as mortes que – caso fossem verdadeiras as elucubrações – poderiam ter sido evitadas, expondo-os de maneira totalmente inescrupulosa e inadequada, prejudicando o trabalho desempenhado até o momento”.

No documento os médicos signatários fazem os seguintes questionamentos:

1) Com base em que estudo a Requerida afirma que, caso fosse usado o tratamento preventivo neste município de Poços de Caldas/MG, 70% das mortes por COVID-19 teriam sido evitadas?

2) A quem a Requerida imputa a responsabilidade pelos 70% de mortes provocadas pelo COVID-19 em virtude da não adoção ao tratamento preventivo?

3) Na hipótese dos Requerentes não fazerem parte da equipe médica que se utiliza do tratamento preventivo, são eles responsáveis pela morte de 70% dos casos de COVID-19 deste município?

4) Em caso positivo, a demandada pesquisou ou possuía na data das declarações alguma documentação idônea e respeitável para comprovar de forma concreta as alegações tecidas em desfavor dos demandantes, inclusive quanto à responsabilidade dos mesmos pela morte de 70% da população poços-caldense por COVID-19?

5) Por que a requerida realizou referidas afirmações perante à população em palestra concedida à Câmara dos Vereadores?

Além de Eduardo InfantiJanuzzi de Carvalho, assinam o referido pedido de explicações Mário Augusto Krugner Lopes, Enio de Queiroz, Licia Teixeira Vitale, Bruno Leone Carmello, Aline Bonora de Oliveira, Ricardo Reinaldo Bergo, Frederico Toledo Campo Dall’orto, Uanderson Resende e Paulo Cesar Pereira Negrão.