O sindicato ainda destacou a proliferação de animais peçonhentos na sede da GM. “Os servidores são obrigados a conviver com a presença constante de ratos, aranhas, escorpiões e pombos”, garantiu.  Denunciou, ainda, que no almoxarifado, as paredes estão mofadas, pó de café e açúcar ficam em caixas plásticas ou de isopor, que precisam ser fechadas com algum objeto sobre a tampa para evitar que os ratos abram e tenham acesso ao alimento e que ao longo das prateleiras fezes de animais dividem espaço com objetos e alimentos. O sindicato vai além, denunciando que documentos oficiais estão manchados devido a urina dos bichos e caixas de papelão estão roídas e que no refeitório os servidores dividem espaço com os pombos que entram pela porta de trás do prédio, o mesmo acontecendo com escorpiões.