Convocado, o ex-prefeito Paulo Tadeu foi ouvido ontem na CPI de Férias dos Agentes Políticos na Câmara Municipal. Mais uma vez os questionamentos foram iniciados pelo relator, vereador DineyLenon que quis saber quais os direitos sociais que o prefeito, vice-prefeito e secretários tinham direito na sua gestão.

Com relação às férias, o vereador informou que nenhum servidor deixou de receber com 60 dias de antecedência, sendo que o de praxe é trinta, o aviso para o seu período concessivo. Do ponto de vista do servidor não havia possibilidade de haver qualquer perspectiva de indenização de férias. Com relação aos agentes públicos não havia, inclusive, previsão legal para pagamento de férias. Não é nem com relação a receber a indenização de férias não gozadas. Não havia férias efetivamente. Se vocês observarem esta questão das férias, elas vão ser regulamentadas por uma lei de 2003, na segunda metade da minha gestão. Ainda assim eu posso afirmar que nenhum ocupante de cargo de confiança teve indenização pecuniar de férias”, garantiu.

O ex-prefeito informou que antes de ir para a reunião da CPI teve o cuidado de falar com sua chefe do departamento pessoal, que hoje mora em Belo Horizonte, para refrescar as informações, tendo ela confirmado não haver a possibilidade de pagamento durante o seu mandato.