Entrevista

NELSON GONÇALVES FILHO

Neusa Reis

Ex- diretor do Demutran defende Assis Figueiredo com mão dupla

O trânsito na área central de Poços de Caldas é complicado, principalmente em horários de pico em que os veículos são obrigados a enfrentar longas filas. O ex-diretor do Departamento Municipal de Trânsito (Demutran), Nelson Gonçalves, disse que o problema  é que hoje o  número de veículos por habitantes em Poços é muito grande, 1,76 veículo/ habitante,  e as vias não se alteraram.

“No projeto inicial de construção da cidade tínhamos ruas de 20, 22, 24 e até 30 metros de largura e elas foram diminuindo para 12, 14 metros. As ruas são as mesmas, mas menores e o número de veículos aumentou muito, ainda mais nos últimos anos com a facilidade de financiamento”, explicou.

Para resolver em parte o problema Nelson é favorável tirar os estacionamentos da rua Assis Figueiredo e transformá-la em mão dupla. No caso das ruas São Paulo e Rio de Janeiro, os dois quarteirões da Praça Pedro Sanches até a rua Rio Grande do Sul, teriam só estacionamentos, enquanto que a avenida Francisco Salles e a Prefeito Chagas continuariam com trânsito  normalmente.

“A rua Assis teria bolsão de embarque e desembarque e duas mãos, acredito que resolveríamos o problema de trânsito na área central rapidamente”, defendeu Nelson

Outra reclamação dos motoristas é quanto a falta de sincronização dos semáforos na área central, desta forma, os veículos são obrigados a parar em vários semáforos antes de conseguirem chegar aos seus destinos. Nelson disse que hoje existem muitas tecnologias, fáceis de fazer e que não são tão caras.  “temos, por exemplo, o sistema auto controle.

Há um equipamento em cima do semáforo e quando ele abre os carros passam, se por dois segundo deixam de passar veículos, ele fecha . O próprio sistema se auto controla, se há muitos veículos naquele sentido ele dá vazão para eles e ele ‘conversa’ com os outros semáforos, para que não sejam sobrecarregados, É um sistema que não é tão caro e que já poderia ter sido implantado em Poços”, explicou.

Nelson lembrou que quando era diretor do Demutran tinha feito um projeto, uma vez que considerava que o problema estava no semáforo da rua Francisco Faria Lobato, já que o fluxo da avenida para naquele local e tumultua o trecho em horários de pico.  “A solução seria fazer uma rotatória em frente a Fepasa.  “Deixei este projeto no Demutran.

Não sei onde ele foi parar e pior é que não guardei nem cópia. Na época ficou a arquiteta Loreta, que era estagiária, e ela tem em disquete, mas ele não funcionou e eu queria este projeto, que é muito interessante. Com a proposta, os veículos que vem do centro para subir a Francisco Faria Lobato eu tiraria daquele semáforo e a fluidez do trânsito iria melhorar muito.

O motorista seria obrigado a fazer esta rotatória em frente a Fepasa, retornar e subir”, explicou, concluindo  que como diretor foi responsável por ampliar as faixas da João Pinheiro de duas para três vias, e que com esta proposta da rotatória duas faixas continuariam pela rua Junqueiras e uma com destino a subida da Francisco Faria Lobato.

Fechar Menu