Engrossando o caldo

O presidente do diretório local do PSDB, celso Donato, já pode respirar mais aliviado no que se refere as críticas que recebeu, inclusive de pessoas influentes do partido, por ter encaminhado ofício para a direção nacional do partido, pedindo a expulsão do ex-governador e agora deputado federal, Aécio Neves.

Ontem, Aécio virou réu, acusado de corrupção e tentativa de obstrução na operação lava-jato que investigava propina de R$ 2 milhões da JBS para o deputado e o diretório paulista, por unanimidade, também pediu a sua expulsão do partido.

 

Dória desiste do Monotrilho

Enquanto por aqui, o governo do PSDB, representado pelo prefeito Sérgio Azevedo, sonha com a reativação do Monotrilho para utilizar o equipamento como transporte de massa, em São Paulo, o também tucano, João Dória, com apoio de prefeitos da mesma legenda, desistiu de executar as obras contratadas no fim de 2014 para a construção do terceiro monotrilho da capital, a Linha 18-Bronze, que cruzaria as cidades do ABC e faria a ligação delas com a Linha 2-Verde do Metrô. No lugar do metrô leve, a gestão de João Doria anunciou um corredor de ônibus especial, chamado BRT (Bus Rapid Transit), que existe em cidades como Goiânia, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

A mudança vinha sendo costurada desde abril. O BRT é um corredor segregado, com alimentação elétrica e pagamento da passagem na estação, não no ônibus, para facilitar o embarque. No ABC, um modelo similar de corredor é gerenciado pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU).

Doria e os prefeitos de Santo André, Paulinho Serra (PSDB), São Bernardo do Campo (Orlando Morando) e São Caetano do Sul, José Auricchio Filho (PSDB) anunciaram a mudança em uma coletiva realizada esta semana, no Palácio dos Bandeirantes.

O secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, afirmou que o novo modelo de transporte teria um custo estimado em R$ 610 milhões, contra os R$ 6 bilhões necessários para colocar o monotrilho para funcionar, e que o BRT teria capacidade de atender a mesma demanda projetada para o metrô leve, 340 mil pessoas por dia. Como ministro das Cidades do governo Temer, Baldy participou da viabilização de obras de 28 BRTs pelo País.

O governador disse que “o governo tomou uma decisão”, ao justificar a mudança, afirmando que a opção foi por um tipo de transporte de construção e operação mais baratos. Os detalhes da nova obra sobre a licitação e a operação ainda não foram divulgados.

A proposta possui um traçado igual ao do monotrilho, partindo da Estação Tamanduateí, que serve a Linha 10-Turquesa dos trens e a Linha 2-Verde de metrô, e seguindo pela Rua Afonsina, que tem limite com as três cidades, até o centro de São Bernardo.

Fechar Menu