Os animais domésticos fazem parte do nosso cotidiano e estão presentes em vários locais. Como uma boa convivência nem sempre significa a ausência de problemas, as pessoas precisam estar atentas quanto aos cuidados e implicações ao adquirir um bicho de estimação.

Os colaboradores da DME, como eletricistas e sobretudo leituristas, que exercem suas atividades em áreas externas ou em contato direto com as unidades consumidoras, infelizmente estão mais suscetíveis à possíveis ataques de cães.

Mesmo com orientações e treinamentos internos sobre o assunto, a preocupação é recorrente. No período de 1997 a agosto de 2021, foram registrados 21 acidentes de trabalho envolvendo cães e leituristas. Por isso, a conscientização de todos é fundamental. O consumidor precisa fazer sua parte e colaborar com o trabalho realizado pelos funcionários da empresa.

Viabilizar o acesso externo ao medidor é uma medida importante, para facilitar o serviço, evitar emissão de fatura com base na média de consumo e, também, para eliminar incidentes com cães no interior dos imóveis. No entanto, os ataques também podem acontecer na rua, geralmente próximo ao imóvel onde reside o cão, o que precisa ser igualmente evitado.

“Recentemente, um leiturista da DME Distribuição estava trabalhando no bairro Jardim das Hortênsias, zona leste, quando foi atacado por um cachorro, que acabou escapando da coleira ao sair para passear com o dono. O leiturista sofreu lesões nas mãos, porém, sem a necessidade de afastamento”, relata Francisco Junior Franco, Técnico de Segurança do Trabalho.

A DME adquiriu e disponibilizou para utilização de todos os leituristas, calças anti-mordidas, para minimizar lesões nos membros inferiores, em casos dessa natureza.

É recomendável que os animais de estimação sejam mantidos presos nos dias de leitura, independente do seu tamanho ou temperamento. Para evitar que os cães acabem ferindo pessoas ou outros animais, são necessárias algumas ações complementares, como: adestramento básico, instalação de cercas protetoras, uso de guia, coleira e focinheira ao sair. Em Minas Gerais, a Lei n° 16.301 determina que os cães das raças Pit Bull, Dobermann, Rottweiler e outros de porte físico e força semelhantes, devem utilizar obrigatoriamente equipamentos de contenção, na condução em via pública e no transporte do animal. Vale também destacar a importância de manter o animal em boas condições, com a vacinação em dia e não deixá-lo solto na rua.