Com a estiagem prolongada e a previsão de chuvas somente em novembro, muitos municípios do país já estão vivendo o racionamento e, em Poços de Caldas, o Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE) já iniciou campanha solicitando que a população use a água de forma racional.

A pergunta que muitos fazem, se o DMAE também “economiza água” é respondida pelo gerente da Divisão de Engenharia e Operações do DMAE, Rodopiano Marques Evangelista. “Poços de Caldas está em um planalto, por isso a água que temos aqui é resultado da precipitação pluviométrica, ou seja, dependemos das chuvas para mantermos as nossas represas, estações e reservatórios cheios e garantir o abastecimento para toda a cidade. Com a estiagem, solicitamos com maior ênfase que a população use a água racionalmente. Contudo, economizar é tarefa do cidadão e obrigação diária do DMAE, não só na economia de nossos recursos hídricos, mas também dos nossos recursos financeiros, pois somos uma autarquia que tem como missão cuidar bem do patrimônio público. Cabe ainda dizer que a pandemia trouxe a consciência da importância do esforço individual para o bem da coletividade, se cada um faz a sua parte, todos ganham. Além disso, importante que os consumidores mantenham reservatórios residenciais (caixas d´água), com capacidade para suprir pelo menos 24 horas de consumo, conforme determina a Associação Brasileira de Normas Técnicas- a ABNT”, ressalta.

Como o DMAE “economiza água”

Uma das maneiras mais eficazes, segundo Rodopiano, é a redução do índice de perdas, atrelada a uma série de ações. “A maior preocupação do DMAE, além do abastecimento, é reduzir a perda de água que já foi de 44 % e que com o trabalho efetuado pela Comissão de Perdas chefiada pelo nosso supervisor, Paulo Silveira, hoje está em 34%, sendo que a nossa meta é chegar em breve, a 28%”.

O mesmo engenheiro explica ações do DMAE em andamento que contribuem para economizar água:

– Proteção aos mananciais

Monitoramento contínuo dos mananciais buscando recuperar, controlar e manter o volume e qualidade das águas.

– Produzir água conforme a necessidade de consumo

Uma forma de redução de perda de água. Há algum tempo atrás, o DMAE produzia muita água que não chegava a ser consumida pela população, o que implicava em perda. Atualmente, busca-se produzir de acordo com o consumo.

– Troca de redes e ramais

São cerca de 1.000 quilômetros de redes de água por toda a cidade, a maioria muito antiga, de ferro ou de amianto e já deteriorada, resultando em quebras, vazamentos e perdas. O DMAE vem realizando a troca de redes por materiais mais resistentes como o PVC e o PEAD.

– Telemetria

As leituras de água realizadas por telemetria permitem coleta e envio dos dados de maneira remota, garantindo tanto para o consumidor quanto para o DMAE maior veracidade nas informações.

– Redução de pressão

A redução de pressão é uma forma também de reduzir perdas por vazamentos não visíveis e com a prevenção de rompimentos nas tubulações por excesso de pressão. Além disso, instalação de novas válvulas contribuindo para maior controle.

– Lavagens de filtros em periodicidade maior

Anteriormente, a lavagem de filtros era realizada em períodos curtos, o que significava maior consumo de água e maior gasto com produtos químicos. Atualmente, a periodicidade é maior sem prejuízos à qualidade da água.

– Manutenções preventivas

O DMAE tem realizado um trabalho diuturno de manutenção preventiva buscando manter todos os equipamentos em boas condições para que a operação de captação, tratamento e abastecimento não seja interrompida, como por exemplo, a troca e colocação de novos inversores preservando a operação das bombas e economizando energia, além do sistema de geofonamento preventivo para verificação do estado das redes e detecção de vazamentos.