Após o vexame de ser despejada da sua sede na Casa dos Conselhos, com oficiais de justiça e aparato policial na porta, o clima na presidência da Academia Poços-caldense de Letras ficou tenso e terminou em rompimento no grupo de Whatsapp que reúne os “imortais” poços-caldenses.

A presidente da Academia, Regina Alves, decidiu publicar no grupo uma lista com 11 nomes, segundo ela, os “novos” integrantes da Academia. O correto seria nominá-los como convidados, mas a presidente decidiu por nomeá-los já como membros efetivos e distribuiu as 11 cadeiras para os novos “imortais”. E o fez sem nem mesmo consultar o Vice-presidente Marcus, Vinicius de Moraes.

O vice respondeu, imediatamente com outra mensagem postada no mesmo grupo de Whatsapp: “Desde já impugno as indicações por falta de critério e aprovação dos outros membros da Academia, além de que estou por aqui solicitando novas eleições, uma vez que sua gestão expirou. Seria importante também uma prestação de contas para todos”.

Resposta da presidente:“Boa tarde DOUTOR MARCUS quando o Senhor precisar falar comigo, meu número de celular é 99977 6764… sempre estive à disposição… fique à vontade!!! Por falar em tempo de gestação esperada lembre-se que o primeiro presidente desta academia ficou presidente por 35 anos e não me lembro de ninguém ofendendo-o como o Senhor está intentando contra a atual Presidente!!! Se liga Dr.!!! Enquanto eu não souber o que houve com o terreno que foi doado para a Academia não vai ter eleição”…

Em represália a atitude da presidente, o vice criou outro grupo de whatsapp e postou esta mensagem aos companheiros de academia: “Como Vice-Presidente e membro da Academia, em respeito a todos criei este grupo, pois a nossa Presidente me removeu do outro mediante ao fato de eu ter me posicionado a respeito do que vem ocorrendo! Fiquei muito chateado com tal atitude!”.

Pelo visto, a presidente e o vice não estão muito preocupados com o fato de a Academia Poços-caldense de Letras ter ficado sem sede e com os móveis armazenado em algum depósito da prefeitura, sob guarda do Judiciário que foi quem determinou o despejo e a reintegração de posse do imóvel em favor do Município.

A essa altura, o coronel do Exército, que na verdade era tenente da reserva, Félix Cotaet, um ituano que se tornou poços-caldense e foi um dos principais fundadores da Academia, 39 anos atrás, deve estar se revirando no túmulo.