Ao participar ontem do programa Café Interativo, da Virando TV, o diretor do Hospital Santa Lúcia, médico Assad Aun Netto, afirmou que a população não pode ficar passiva ao descredenciamento do hospital no atendimento das urgências e emergências pelo SUS, referentes aos problemas de coração.

“Se a população ficar passiva ela vai receber goela abaixo uma queda do padrão de atendimento de um dia para o outro. Não aconteceu ainda, o Valora não está efetivamente funcionando e estamos trabalhando para reverter esta situação”, afirmou, lembrando a reunião com o secretário de Estado da Saúde e destacando o apoio de 55 cidades.

“Tivemos reunião ainda com 412 vereadores, 76 secretários de saúde, com todos se manifestando e uma infinidade de telefonemas de pessoas surpresas”, garantiu Aun. Ele lembrou que o hospital vai continuar atendendo os pacientes particulares e os convênios, mas quanto aos do SUS o Estado quer transferir para outro lugar, “sem preparo”.

Neste caso, o Santa Lúcia só receberia estes pacientes, caso se percebesse “neste outro lugar” que o diagnóstico é realmente de infarto. “Perde-se a janela de tratamento”, lamentou.