O DEM e o PSL aprovaram, em convenções realizadas nesta quarta-feira em Brasília, a fusão da entre as duas legendas. O novo partido se chamará União Brasil e o número será o 44.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ainda precisa aprovar a nova sigla. A cúpula do DEM crê que o processo de fusão leve três meses para ser analisado pelos ministros.

A expectativa, segundo o presidente nacional do DEM, ACM Neto, é de que a fusão leve à formação da maior legenda do país. Entretanto, o processo deve levar à saída de vários filiados dos dois partidos, inclusive congressistas.

CANDIDATURAS

Com a fusão dos partidos DEM e PSL o União Brasil, nome da nova legenda, tem três opções para disputar a Presidência da República em 2022. O futuro secretário-geral do partido, ACM Neto, disse que a legenda, hoje, tem Rodrigo Pacheco, atual presidente do Senado, Luiz Henrique Mandetta, ex-minsitro da Saúde do governo de Jair Bolsonaro, e o apresentador de TV, José Luiz Datena.

ACM Neto disse ainda que, agora, após a fusão nacional, o União Brasil começa a conversar com políticos regionais para formar candidaturas aos governos dos estados. Para ACM, o ideal é conseguir 10 candidatos próprios nos estados. Questionado sobre se as portas do partido estão abertas para Romeu Zema (Novo), atual governador de Minas Gerais, e Geraldo Alckmin (PSDB), ex-governador de São Paulo que busca partido para se candidatar no ano que vem, ACM considerou “dois grandes nomes”.