* O esforço dos vereadores e da própria secretaria de turismo tentando incluir o ramal ferroviário turístico Poços/Águas da Prata no Plano Estadual Ferroviário é válido, mas é bom lembrar que o trecho maior da ferrovia para esta ligação, está localizado em território paulista e depende mais do estado vizinho do que Minas Gerais.

* Além disso, não dá para sonhar, como fez administrações anteriores com a composição partindo da antiga estação ferroviária, até porque a recomposição da linha teria um custo de dezenas de milhões, além de ser um trecho que está localizado em área urbana densamente ocupada e isso atrapalharia em muito, o nosso já complicado trânsito.

* A melhor solução seria a composição sair da estação Bauxita, localizada ao lado da CBA e dali seguir para Águas da Prata e quem sabe até São João da Boa Vista. Este trecho já está pronto e vem sendo usado apenas para o transporte de minério. O primeiro passo seria conseguir autorização da concessionária responsável pela via férrea e a partir disso trabalhar para encontrar alguma associação ou até mesmo uma empresa que se disponha a adquirir a composição mais a máquina e explorar o serviço. Esseé o caminho, o resto continua sendo um sonho de verão.

* Bom seria também continuar insistindo no projeto para construir um terminal de carga próximo ao distrito industrial para transportar através por trem produtos da região sul mineira e até mesmo do leste paulista direto para o porto de Santos. Esta é uma boa ideia que foi lançada pelo secretário Thiago Mariano e que parece, ficou apenas na boa intenção. O terminal ferroviário sim, depende muito do governo de Minas porque exige alto investimento em território mineiro.

* Durante entrevista na semana passada, o prefeito Sérgio Azevedo disse alto e bom som que somente ele é que pensou e está trabalhando para viabilizar o Plano de Mobilidade Urbana. “Ninguém pensou isso antes”, disse. Com todo respeito ao chefe do executivo, mas vale ressaltar que em administrações anteriores, pelo menos quatro prefeitos fizeram muito mais que um plano, planejaram e executaram obras de porte, importantíssimas para melhoria da mobilidade urbana. Para citar algumas: