* Com a entrega dos apartamentos do Condomínio Residencial Sonho Dourado I e a licitação do transporte coletivo praticamente resolvido, o governo municipal comandado pelo engenheiro Sérgio Azevedo respira mais aliviado neste primeiro semestre do segundo mandato. São duas coisas que estavam enroscadas desde o mandato anterior e gerando polêmicas envolvendo a administração e até mesmo divergências pessoais com o chefe do executivo. Agora é tocar o barco em frente porque existem outras pendências para serem resolvidas, aliás, uma terceira, que era a CND que estava vencida também está próxima de uma solução dependendo apenas de aprovação do projeto Recupera Poços que será encaminhado ao legislativo.

* Com recursos arrecadados por meio de multas por infrações de trânsito, a Secretaria de Administração abriu licitação por meio de pregão eletrônico para a compra de motocicletas que serão utilizadas pelos agentes na fiscalização do trânsito. As propostas serão conhecidas no dia 11 de junho às 12h30m.

* A rejeição ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) atingiu seu maior patamar. De acordo com pesquisa do PoderData feita de segunda-feira (24/5) até neste quarta-feira (26/5), a reprovação ao chefe do Executivo chegou aos 59% na última semana de maio, uma alta de 5% em relação com último levantamento, realizado entre os dias 10 e 12 deste mês.

* Por meio da Portaria de número 4.465, publicada no diário oficial do município, o prefeito Sérgio Azevedo nomeou Marina Aparecida de Melo Andrade para ocupar o cargo em comissão de Coordenadora do Museu Histórico e Geográfico. Na mesma portaria está a retificação do nome de Paula Narayane Sousa Franco, que foi nomeada para o cargo, também em comissão, de Coordenadora da Divisão de Equipamentos Turísticos.

* Poços de Caldas foi a única cidade entre as mais importantes da região sul-mineira a apresentar saldo negativo na geração de empregos no mês de abril, segundo os números do Caged. Os 164 municípios da região, nos três primeiros meses da pandemia fecharam 22 mil postos de trabalho, e já abriram outras 45 mil vagas, segundo levantamento do GI–Sul de Minas. Poços no levantamento dos últimos 12 meses continua com saldo negativo de 961 vagas.

* A explicação para o fato de a cidade continuar com saldo negativo está nos segmentos de hotelaria e serviços. Com a pandemia, os hotéis permaneceram fechados vários meses e mesmo quando reabertos, medidas de restrições ainda não permitem lotação completa. Mais de 500 estabelecimentos comerciais, boa parte com foco no turismo encerraram as atividades, promovendo a dispensa dos seus funcionários.

* Está agendado para amanhã, sábado, uma mobilização em protesto contra o presidente Jair Bolsonaro, das 8h às 12h, com faixas e distribuição de panfletos e máscaras Pff2 em cinco pontos da cidade. A concentração será atrás do Pálace Hotel, das 14 às 15 horas, com ato cultural simbólico seguido de passeata.