* O governo de Romeu Zema gastou R$ 1,6 bilhão a menos na área da saúde e R$ 2,7 bilhões a menos na educação em 2019 em relação ao que é exigido pela Constituição. A Carta Magna determina que os Estados destinem, de suas receitas, 12% para a saúde e 25% para a educação. O TCE-MG votará pela emissão de um parecer final pela aprovação ou rejeição das contas do governo. O documento servirá como base para o julgamento realizado pelo plenário da ALMG, este, sim, definitivo.

* Se tivesse cumprido o que determina a lei, o governo do Estado poderia ter ajudado os municípios a melhorar o atendimento na área de saúde. Poços de Caldas, por exemplo, gasta mais do que o dobro dos 15% obrigatório por lei. Só para o hospital da Santa Casa, o Estado deve mais de R$ 8 milhões.

* E por falar em saúde, o secretário da área, Carlos Mosconi está preocupadíssimo com o aumento dos casos de Covid-19 no município onde 100% dos leitos estão ocupados e os boletins diários continuam registrando aumento no número de casos positivos. Não é à toa que insistiu com o prefeito para incluir no programa “Recupera Poços” a criação de outros cinco leitos de UTI no hospital Margarita Morales, além da instalação de 3 centros de atendimento para pacientes com Covid-19, nos setores leste, sul e oeste.

* Os vereadores não têm do que reclamar sobre respostas aos muitos requerimentos apresentados por eles onde pedem informações ao poder executivo. Só ontem, na Resenha do Expediente constavam nada menos que 52 ofícios encaminhados pelo gabinete do chefe do executivo com respostas aos questionamentos.

* Foi protocolado e lido na sessão ordinária de ontem, ofício assinado por Sebastião Sidnei Boleta solicitando o uso da tribuna do legislativo para expor aos vereadores e publicamente, assunto relacionado ao tema desapropriação de área, tema relacionado à exposição do representante da construtora BM Engenharia (Luiz Antonio Batista), na sessão anterior. Quem acompanha os bastidores sabe que existe uma pendência judicial entre as duas partes por conta de divergências em área de terra localizada na zona leste e que já deu muito o que falar pelos lados do poder executivo.