* Os fura-fila. A Secretaria de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) confirmou a existência de uma segunda lista com 1.852 servidores vacinados. Eles trabalham nas superintendências regionais espalhadas pelo interior do Estado.“Sobre a listagem contendo 1.852 nomes de servidores imunizados em superintendências localização no interior do estado, vale ressaltar que a mesma já foi encaminhada à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e refere-se às 27 Unidades Regionais de Saúde que procederam conforme critérios municipais”, informou a secretaria por meio de nota. Uma vergonha.

* Uma coisa é preciso reconhecer, se administrar a cidade em tempos normais já é uma tarefa nada fácil, na atual situação, com essa verdadeira catástrofe que é a pandemia do coronavírus as coisas se tornam mais difíceis ainda. E o prefeito acaba sendo colocado em uma sinuca de bico, se fecha tudo é criticado porque está provocando desemprego e quebradeira do comércio e se abre, os casos podem aumentar ainda mais, ultrapassando a capacidade de leitos hospitalares, principalmente os de UTI.

* Se a pandemia foi bem administrada no ano passado e até favoreceu a reeleição do prefeito Sérgio, agora, nesta segunda fase está colaborando para queimar o capital politico acumulado na eleição, que a bem da verdade, é pequeno pelo fato de ter sido eleito com poucos votos.

* E o que mais provocava protesto daqueles que estavam na porta da prefeitura ontem é o fato de o decreto permitir a abertura de algum tipo de comércio em prejuízo de outro, ambos do mesmo segmento. Isso fez com que virasse uma confusão, na base do abre quem quiser e a fiscalização foi inexistente. Virou bagunça.

* Alguns pacientes que foram internados em leitos de UTI nos hospitais de Poços de Caldas pelo SUS, segundo narrativa que está nos boletins epidemiológicos, tem como origem cidades que não aderiram ao decreto do Estado que coloca todos os municípios na onda roxa. Ou seja, os prefeitos não tomam as medidas restritivas lá e encaminham pacientes para cá, o problema das internações deixam de ser deles e passa a ser nosso, ou seja, da prefeitura de Poços que é obrigada, por lei, a prestar assistência médica a todos que procuram assistência através do SUS.

* Cinco cidades do Sul de Minas Gerais, não aderiram à “Onda Roxa” do programa Minas Consciente estabelecidas pelo governo Zema. Varginha, Campo do Meio, Guaxupé, São Sebastião do Paraíso e Carmo do Rio Claro não acataram a decisão do estado. A partir de quarta-feira todas as cidades mineiras deveriam entrar na Onda Roxa, a mais restritiva do Plano Minas Consciente, com o objetivo de amenizar a disseminação do novo coronavírus. De acordo com a prefeitura de Varginha, entende que a imposição feita pelo governador de Minas é inconstitucional.