* O diário oficial desta quarta-feira publica termo de rescisão amigável celebrado entre a Secretaria Municipal de Saúde e a empresa Ômega Serviços em Saúde, cujo prazo de vencimento se daria no dia 6 de junho próximo, para prestação de serviços na cobertura de plantão médico especializado na sala vermelha da UPA. A rescisão tem efeito retroativo ao dia 26 de fevereiro.

* E mesmo na onda vermelha, os casos de Covid não param de crescer em Poços de Caldas. Números do boletim epidemiológico de ontem registram mais 3 mortes de moradores locais, totalizando 251 óbitos de residentes; 7.845 casos confirmados, sendo outros 122 somente no dia de ontem: 999 pacientes em isolamento, 42 pacientes de Poços internados em leitos de UTI, mais 26 moradores de outras cidades.

* Resta saber de essas quase mil pessoas que testaram positivo para a Covid-19 estão mesmo cumprindo quarentena em isolamento domiciliar. Será que a secretaria de saúde está monitorando essas pessoas para saber se realmente estão isoladas? Que medicamento estão tomando? Ou será que muitas estão circulando por aí espalhando o vírus e colaborando para aumentar o número de contaminados? Esta última hipótese é a mais provável, ontem foram mais 122 casos confirmados. Porque a secretaria não faz uma pesquisa para saber onde e como essas pessoas contraíram o vírus?

* Dentre as nove moções de apelo apresentadas pelos vereadores na sessão ordinária de ontem, uma delas merece atenção especial porque pode desencadear uma ação que irá resolver um problema que se arrasta há vários anos. Trata-se do piso salarial dos trabalhadores no setor de enfermagem. Neste sentido a moção, de autoria da vereadora Regina Cioffi(Progressistas) e subscrita por vários outros vereadores, foi endereçada ao senador Rodrigo Pacheco (DEM), presidente do Senado Federal, com quem a autora da moção já conversou pessoalmente pelotelefone a respeito do assunto e recebeu dele a promessa de se empenhar na solução do problema.

* A Secretaria de Defesa Social abriu chamamento para empresas interessadas em explorar o serviço de transporte público em Poços de Caldas durante 120 dias, a contar do dia 21 de maio, quando se encerra o contrato emergencial que mantém com a atual concessionária que já comunicou, publicamente, que não continuará prestando serviço, pelo menos pelo preço de 4 reais a passagem uma vez que acumula um enorme prejuízo. Será difícil, para não dizer, impossível, aparecer uma outra empresa interessada em cumprir um contrato de apenas 120 dias pela mesma tarifa. O prefeito já pode ir preparando um plano B para não deixar a população sem transporte.

* O corte de 98% nos recursos destinados ao Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), que financia as obras da faixa 1 do antigo Minha Casa Minha Vida, hoje chamado de Casa Verde e Amarela, acendeu a luz vermelha no setor da construção civil. Entidades que representam o setor calculam que uma paralisação das obras de milhares de unidades no programa, podem causar perdas de milhares de empregos.

* Nos próximos dias será publicado o novo edital para a licitação mediante concessão onerosa dos pontos turísticos. Após a audiência púbica realizada no início do mês, algumas alterações foram introduzidas no edital para facilitar o interesse de empresas no processo. O problema que pode complicar a licitação está no fato de que ela continua sendo feita em bloco, prática ilegal, segundo denunciado pelo ex-vereador Paulo Tadeu. Em razão dessa inconstitucionalidade a licitação poderá vir a ser impugnada, segundo o experiente ex-vereador e ex-prefeito.

* A Assembleia Legislativa está apurando o escândalo dos chamados fura-filas, ou seja, servidores da Secretaria de Estado da Saúde e de alguns outros setores do governo estadual que foram imunizados indevidamente. Segundo informação do deputado Vitor Xavier (Cidadania), até o momento a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que apura as irregularidades, obteve informação comprovada que foram 2.684 pessoas que foram vacinadas de forma indevida.