* Do vereador Claudiney Marques na sessão de terça-feira: ‘”enquanto os cães ladram a carruagem passa, eu quero estar na ‘carruagem’ do progresso do país. Que os cães ladrem a esquerda ou à direita, eu quero estar na carruagem do progresso e não nisso que estamos vendo neste país atualmente. Nem para esquerda e nem para a direita, mas para o diálogo e para o consenso. Antes que este Brasil, se torne irrecuperável”, disse o verador do PSDB.

* A Secretaria de Administração, por meio da Divisão de Suprimentos, abriu edital para pregão no dia 7 de maio, tendo como objetivo a compra de combustível para abastecimento dos veículos que integram a frota municipal. Bons tempos aqueles em que a prefeitura tinha suas contas em dia, incluindo a Certidão Negativa de Débitos (CND) e estava habilitada a comprar combustível diretamente das distribuidoras, pagando um preço mais baixo. Hoje faz licitação para adquirir combustível em posto de gasolina, pagando muito mais caro.

* O ex-assessor jurídico da Câmara Municipal, João Luiz Azevedo, se manifestou nas redes sociais contra a aprovação do projeto de lei que estabelece como serviços essenciais as atividades de Educação Infantil e Fundamental, nesta fase crítica da pandemia. Segundo ele, a esperança é que o prefeito vete o projeto para evitar a volta das aulas presenciais, colocando em risco a vida dos alunos, professores e servidores que trabalham na área da educação. Fosse ainda o assessor e com certeza seu parecer seria contrário a matéria, posição contrária a que foi adotada pelo seu substituto, que considerou a proposta legal.

* Na verdade, o projeto foi aprovado porque classifica a educação fundamental e infantil apenas como atividades essenciais e não fala em volta as aulas presenciais. Segundo informação do secretário de imprensa Paulo Ney, por esse motivo o prefeito irá sancionar o projeto aprovado pelos vereadores. Com isso estará puxando para o seu colo a pressão que certamente será feita por aqueles que querem o retorno das aulas nesse momento. E os vereadores que votaram favoravelmente ao projeto, estarão livres da pressão, dizendo que “nós aprovamos, agora o problema é do prefeito, procurem ele”.

* Sobre a Representação protocolada no Ministério Público, contra a fala da médica Andréa Almeida Magalhães, que na tribuna da Câmara Municipal, defendeu o tratamento precoce contra a Covid-19, o também médico, Eduardo Januzzi esclarece que a representação é assinada por um grupo de 10 médicos que trabalham na linha de frente, no tratamento de pacientes contaminados pelo vírus, incluindo infecologistas, pneumologistas, clínicos, cardiologistas e intensivistas. Ao defender o tratamento precoce a médica afirmou que se isso tivesse sido feito, “pelo menos 70% das mortes poderiam ser evitadas”.

* O governador Romeu Zema (Novo), arrumou sarna para coçar, chamou de mercenários os deputados estaduais e provocou a ira não só de opositores, mas também de deputados da base aliada, que por sinal, não são muitos. O presidente da Assembleia, Agostinho Patrus (PV), tentou acalmar a tropa dizendo que às vezes Zema fala coisas mal colocadas, mas não faz por mal. Então tá… certas coisas mesmo sendo verdade, é bom não falar para não criar problemas.