* Um vídeo editado com imagens colhidas em um posto de vacinação na cidade de Franca, onde uma estagiária de enfermagem finge aplicar vacina contra a Covid-19 em uma idosa, foi maldosamente editado e postado nas redes sociais na madrugada de sábado, como se o fato tivesse ocorrido no posto de vacinação da Urca, em Poços de Caldas. Felizmente, o secretário de imprensa da prefeitura, Paulo Ney, que nunca desliga, logo as primeiras horas da manhã assistiu a montagem e verificou que se tratava de mais uma fake news. Imediatamente postou o desmentido o que evitou maior propagação da edição mentirosa.

* Mas, um segundo vídeo, esse verdadeiro, gravado pelo youtuber Alberto Silva (Beto), flagrou o prefeito Sérgio em um bar nos altos da rua Assis (Bar do Rossi), conversando com várias pessoas em uma clara aglomeração, muitos sem máscaras, contrariando as próprias normas baixadas pelo prefeito para entrar em vigor naquele dia, quando teve início a onda vermelha.

* O vídeo com cenas do mau exemplo dado pelo chefe do executivo viralizou nas redes sociais e foi parar até no noticiário da EPTV Sul de Minas. À tarde o secretário Paulo Ney postou no grupo da imprensa um comunicado avisando que o bar, por ter permitido aglomeração, foi multado em R$ 6 mil. A emenda ficou pior do que o soneto porque comprovou a presença do prefeito em local que estava descumprindo as regras.

* Assim como havia prometido, quando o chefe do executivo registrou boletim de ocorrência por sua participação em manifestação na porta da prefeitura, contra o fechamento do comércio, o youtuber Alberto Silva (Beto), que possui mais de um milhão de seguidores e responde pela página do Pensa Poços, nas redes sociais, não está dando trégua para o prefeito e ganhou ainda o reforço de outro grupo, o Poços em Ação.

* A lista dos novos “imortais” da ACPL divulgada pela presidente Regina Alves, contempla quatro integrantes da imprensa local: Pedro Bertozzi, Ivonete Door, Marcos Bola e Demilton Vacarelli.

* A presença do prefeito com direito a vídeo nas redes sociais e até notícia na EPTV e matéria no G1 custou ao tucano Roberto Rossi uma multa de R$ 6 mil, aplicada pela fiscalização. Um freguês desse tipo, almoçando uma vez por semana, não renderia 200 reais no final do mês, em compensação, as multas somariam R$ 24 mil. Melhor colocar um aviso na porta: proibindo a entrada do alcaide, pelo menos durante o tempo em que ele estiver no exercício do cargo.