* Solidariedade. O grupo de amigos que costuma se reunir para confraternização acompanhada sempre de uma boa comida, conhecido como a “Turma do Ranchinho”, sentindo o drama de famílias carentes nesta fase de pandemia, em que as reuniões de confraternizações estão suspensas, arrecadou 130 cestas básicas para entregar a projetos sociais que amparam famílias em condições de vulnerabilidade. Além dessa coleta em grupo, vários dos integrantes dos grupos continuam mantendo doações isoladas para suprir a necessidade de quem está em dificuldade para a compra de gêneros alimentícios. Um belo exemplo de solidariedade.

* Algumas pessoas manifestam receio em aceitar a segunda dose da vacina, cujo prazo foi antecipado pela prefeitura. Segundo os estudos, o intervalo de aplicação entre a primeira e segunda dose da Coronavac deve obedecer um espaço de no mínimo 14 e no máximo 28 dias. A antecipação que está sendo feita pela secretaria de saúde conserva entre uma e outra dose o espaço de 14 dias.

* A Câmara Municipal de Belo Horizonte aprovou um projeto de lei que reconhece como essencial a prática da atividade física em estabelecimentos prestadores de serviços destinados a essa finalidade, bem como em espaços públicos. Na prática, a proposta permitiria a reabertura de academias na capital mineira, além de exercícios em praças públicas.

* Por aqui os profissionais de educação física publicaram uma carta aberta endereçada ao governo municipal fazendo o mesmo pedido. O comitê que gerencia a pandemia deve se reunir nesta sexta-feira e deve avaliar o pedido, assim como a revogação do decreto da lei seca, como fez ontem o prefeito de Caldas, mantendo as demais restrições impostas pela onda roxa.

* A situação dos hospitais que tratam pacientes com Covid, internados em leitos de UTI é preocupante. Segundo informou ontem o governador Romeu Zema, a reserva de sedativos para a intubação é suficiente para apenas um ou dois dias. No hospital da Santa Casa a situação voltou ao nível crítico depois do socorro prestado pela empresa União Química.

* Carlos Pimenta, deputado estadual pelo PDT gravou vídeo e postou nas redes sociais acusando o recebimento de ofício endereçado a ele pelo secretário municipal de saúde, Carlos Mosconi, solicitando ajuda para na liberação de medicamentos para intubação de pacientes internados nos hospitais de Poços que atendem pelo SUS.

* O mesmo ofício, segundo informa o deputado que é amigo de longa data do secretário, foi encaminhado ao governador Romeu Zema e ao Secretário de Estado de Saúde. Não se sabe se foi entregue também ao deputado poços-caldense Mauro Tramonte ou se as divergências políticas paroquianas impedem uma aproximação entre as partes.