Portal de Notícias e Web Rádio 

O vereador Wellington Paulista (UNIÃO) é autor de um Requerimento que solicita informações do Executivo sobre a possível implantação de um Centro de Referência pós-Covid na cidade, assistência já prestada em vários municípios do país. A proposição será votada na próxima sessão da Câmara.

O serviço oferecido no Centro de Referência é voltado aos pacientes recuperados da COVID-19 que apresentam sequelas da doença. De acordo com uma pesquisa publicada no Journalofthe American Medical Association (JAMA) e citada no texto do Requerimento, mesmo meses após a cura, 87% das 143 pessoas que participaram do estudo disseram ter um ou mais sintomas da doença, como cansaço e problemas respiratórios. Destes, apenas 12,6% haviam sido internadas em uma Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

Vários órgãos podem ser afetados e apresentar sequelas pós-Covid, tais como o pulmão, coração, rins, intestino, sistema vascular e até mesmo o cérebro. Dessa forma, Paulista destaca a necessidade de um atendimento aos pacientes. “Aqueles recuperados, muitas vezes, não retornam à vida normal após a alta hospitalar ou após vencerem a fase aguda da doença. É necessário, também, atuar no dia a dia com os recuperados, que precisam lidar com essas sequelas”, pontua.

O vereador ressalta, ainda, que muitos estabelecimentos de saúde no país têm atuado para dar essa assistência no pós-alta, ofertando serviços específicos para este público. “O principal objetivo do programa é readquirir a independência funcional e qualidade de vida, através de atendimento multidisciplinar, com um olhar individualizado e acompanhamento progressivo”, comenta.

Fisioterapeutas, psicólogos, educadores físicos, fonoaudiólogos, pneumologistas e cardiologistas estão entre os principais profissionais necessários para esse tipo de atendimento. No Requerimento, Paulista questiona o Executivo se já existe alguma previsão para criação do Centro de Referência pós-Covid na cidade, quais as ações que o município tem feito com os pacientes que ficaram com sequelas da doença, se existe algum estudo que aponte o número de pessoas com algum tipo de sequelas e quais profissionais, dentro das principais especialidades citadas, que atuam na rede municipal.