Corregedoria impõe censura ao vereador Paulo Tadeu

O vereador Paulo Tadeu, que sempre se mostrou equilibrado durante os debates legislativos,em uma das reuniões conjuntas de comissões, realizada em fevereiro, deu uma escorregada e chegou a perder o equilíbrio emocional, chamando de “idiota”, sua colega de legislativo, a vereadora Maria Ligia de Freitas Podestá.

Sentindo-se ofendida, e com razão, a vereadora protocolou representação junto à Corregedoria da Casa que após analisar a denúncia, com base no Código de E’tica e Decoro Parlamentar, a julgou procedente e como forma de punição, aplicou uma censura por escrito ao vereador, contra a atitude deseducada com a colega de parlamento.

Em parecer contendo duas laudas, o relatório do Corregedor foi endossado pelo presidente da Câmara, vereador Carlos Roberto Costa e lida na íntegra na reunião de terça-feira, quando o vereador após refletir, pediu desculpas em plenário para a colega ofendida.

Chamou a atenção o fato de justo na reunião de terça a transmissão da sessão pela internet ter apresentado diversos problemas e no vídeo postado na página do legislativo, assim como também no You Tube, esta parte da reunião não aparece. Apenas coincidência, claro.

 

Pedidos de informações

Na reunião ordinária desta terça-feira, o vereador AlvaroCagnani apresentou requerimento que foi aprovado pelo plenário, sugerindo ao executivo estudo sobre tecnologia que aproveita o esgoto doméstico coletado na cidade para gerar energia elétrica, uma nova tecnologia que está sendo desenvolvida no estado do Paranáque será o primeiro do Brasil a receber a construção de uma estação de geração de energia por meio de esgoto e de lixo orgânico. Uma usina de geração de biogás, que transforma os resíduos em eletricidade para abastecer as casas da região.

Já o vereador Marcelo Heitor deseja saber da chefia do executivo quais são os servidores municipais que recebem salários que ultrapassam o do prefeito. Conforme decisão da justiça, baseada no artigo 37 da Constituição, nenhum servidor da área de saúde em Poços pode ganhar mais que o prefeito. Pela lógica, a medida valeria também para os demais servidores.

Por seu lado, o oposicionista Paulo Tadeu apresentou requerimento contendo pedido de informações, para saber do executivo qual o gasto da prefeitura com a folha de pessoal e quais os lançamentos referentes a este tipo de despesa que estão sendo lançados. Segundo análise do vereador, os gastos com servidores já ultrapassou o limite prudencial estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. O secretário da Fazenda, Alexandre Lino, diz que isso ainda não aconteceu e que ainda existe margem para novos reajustes.

Fechar Menu