O vereador Roberto dos Santos (Republicanos), durante a discussão de uma moção de repúdio ao prefeito Sérgio Azevedo, flagrado em um bar no sábado, afirmou que teria vergonha de apresentar a moção de repúdio ao chefe do Executivo, de autoria do vereador Diney Lennon, que buscou informações e que no bar em que estava o prefeito no fim de semana havima apenas sete pessoas, o que não caracteriza aglomeração. Garantiu que se o prefeito estivesse, de fato, fazendo aglomeração, seria o primeiro ‘a arrebentar com ele’, porque se sente prejudicado, uma vez que o povo quer ir a igreja e não pode.

“Aprovar um projeto deste é dar ênfase para quem deu o primeiro grito. Aquele camarada, que nem vou falar o nome dele, que denigre a esta Casa, dos vereadores, foi o primeiro a gritar a aprontar para o vereador Flavinho e para o prefeito. Voto de repúdio é sério. O prefeito não pode almoçar fora? Eu não tenho compromisso, eu não tenho prefeito e nem vereador de estimação, o que tiver que fazer eu faço, não tenho compromisso, não devo favor, mas este voto de repúdio é uma vergonha. Dar ouvido a um mau caráter, que propaga o mau, é nocivo a cidade. Não é você, vereador, é quem deu o primeiro grito”, desabafou.