A vereadora Regina Cioffi, ao usar a tribuna, na sessão ordinária desta terça-feira, citou inicialmente Aristóteles. “Viver em uma sociedade organizada como uma cidade  ou estado é o que nos faz humanos. Qualquer um que viva fora de uma cidade ou estado é um animal selvagem ou um deus”.

Dito isso, Regina fez uma reflexão sobre o bom e o mau político. “O bom político é aquele que é ético. O mau político nem sabe o que significa isso. O bom político tem respeito pelas pessoas, pelos seus pares, na sociedade em que ele vive. O mau político não é seu hábito cultivar o respeito. O bom político constrói pontes, o mau político detona pontes e tem a expertise em construir barreiras e o pior, não sabe que está se fechando nelas mesmo. O bom político faz, o mau político, aquele que bate no peito que sabe fazer, que fez tudo, está em todos os momentos, em todos os lugares, mas você não vê ações concretas. O bom político cultiva ser, o mau político cultiva ter. O bom político tem foco, diretrizes. O mau político é aquele que entende de tudo, sabe tudo, é o super político. O bom político é cauteloso. O mau político é soberbo. O bom político a idade está na mentalidade, está na sua história. O mau político o termômetro é somente a cronologia. Panela velha é que faz comida boa, não é? O bom político cria a autoridade durante seu tempo, trajetória e história. O mau político quer o poder pelo poder, a todo custo. O bom político age democraticamente, com liberdade. O mau político quer decidir o destino de seus pares, tirar a liberdade de suas escolhas, do direito de cada um. O bom político aceita a posição do outro. O mau político não aceita e além disso tenta dissuadir os seus pares com a estratégia da destruição. O compromisso do bom político é com as pessoas e do mau político é com sua cicatriz umbilical. O bom político sai da caixinha, sai do seu quadradinho. O mau político aumenta o tamanho de sua caixinha e nela se prende cada vez mais. O bom político é aquele que busca solução. O mau político é aquele que sabe cobrar, criticar e somente falar dos problemas. O bom político é aquele que tem resiliência. O mau político: o que é mesmo resiliência? Você ensina os outros como gostaria de ser tratado, pelo que você permite, pelo que você tolera e pelo que você reforça. Não é necessário se dizer o que pensa, mas é muito importante pensar bem em tudo o que se diz. Ninguém pode traçar planos pra você. O jardim é seu, você precisa cultivar este jardim e é você que vai dizer como vai fazer. Vamos respeitar as escolhas. O entendimento que temos do outro depende do entendimento que já tivemos de nós. Difícil sermos capazes de aceitar nos outros o que ainda não aceitamos em nós. A reconciliação com tudo que nos diz respeito é fundamental para que sejamos empáticos com aquelas pessoas que cruzam a nossa vida”, concluiu a vereadora Regina.