Barragem sem segurança

Segundo nota publicada no grupo de WhatsApp “Poços, Hoje e Amanhã”, no complexo da INB, em Caldas, existe uma barragem de rejeitos que foi desativada há aproximadamente vinte anos, não tem garantia de segurança segundo a agência nacional de mineração(ANM). Segundo o órgão, uma auditoria atestou falta de dados e documentos técnicos.

Diz a nota que “em setembro de 2018 foi constatado um evento não usual no extravasor da barragem, devido a falta de profissionais capacitados para a análise do ocorrido, foram contratados em situação emergencial, técnicos da universidade de Ouro Preto, para fazer um laudo das condições”.

Esse laudo, dia a nota “foi alarmante, uma vez que os técnicos manifestaram grande preocupação em relação a segurança da barragem de rejeitos devido ao comprometimento do sistema atual do extravasor (tulipa), o que provoca o surgimento de escoamentos periféricos. Esses escoamentos geram um processo de erosão interna da barragem, conhecido como pipping. O fenômeno de pipping é uma das maiores preocupações dos especialistas em barragem, pois pode ocasionar o seu rompimento. A remediação de um acidente desta magnitude é lenta, difícil e extremamente onerosa, além de ser um grande prejuízo para o programa nuclear brasileiro”.

Na tentativa desesperada de tentar solucionar o problema, segundo ainda a postagem, “a diretoria da INB contratou por emergência uma empresa, sem licitação, por um valor de R$ 6.152.000,00. No entanto existem vários fatores que chamam a atenção nessa contratação: aproximadamente 40% do valor é destinado para mobilização e desmobilização do canteiro de obras, a empresa escolhida nunca venceu uma licitação na INB uma vez que sempre apresentou valores bem maiores, nenhum especialista em barragem avaliou a proposta apresentada, muito menos tem um especialista acompanhando, que por sinal iniciou-se antes da apresentação do projeto”.

Fechar Menu