A CEF foi a instituição bancária que se interessou pelo projeto Auxílio Emergencial desenvolvido pela administração municipal. Antes de colocá-lo em prática, as secretarias da Fazenda e Promoção Social reuniram-se com a instituição para tratar dos detalhes.  Após o cadastramento dos interessados em se beneficiar com o programa, eles passarão pelo crivo da Promoção Social para verificar se os cadastrados, de fato, têm direito ou não, enquanto que a verificação de critérios de pagamento ficará a cargo da Secretaria da Fazenda. “Queremos fazer uma logística bem interessante, sem contratempo, a pessoa não precisa ficar indo na prefeitura. Será aberta uma conta na CEF, tipo a do auxílio emergencial do governo federal, sem tarifa, sem nada, e o dinheiro cairá em conta”, explicou o secretário da Fazenda, Alexandre Lino.