Como normalmente acontece em nossa cidade, em se tratando de Poder Executivo, as coisas são feitas sempre de afogadilho, sem qualquer planejamento e acabam dando com os burros n´água. Foi o que aconteceu com o transporte público, foi o que aconteceu com a privatização dos pontos turísticos, só para exemplificar.

Como já tive a oportunidade de dizer anteriormente, bastou uma pequena melhora nos números de novos casos confirmados de pessoas infectadas com o coronavírus, para uma grande movimentação no sentido de retorno das aulas presenciais, como se estivéssemos vivendo num mar de rosas, em que a pandemia teria sido debelada. Como seria bom se isso fosse verdadeiro, mas infelizmente não é.

Estariam os professores e escolas preparados para o retorno? Quanto aos professores até acho que no espaço de tempo até a data programada, estariam prontos, eis que são pessoas de comprovada competência.

Mas quanto às escolas, aqui falo das instalações físicas, com toda certeza não e em 30 dias não serão feitas as reformas necessárias e indispensáveis para receber os alunos da rede municipal. Algum tempo atrás, uma comissão de vereadores começou a percorrer os estabelecimentos, mas nem mesmo sabemos se chegaram a concluir isso, se elaboraram algum relatório, se se fizeram acompanhar de profissionais da área (engenheiros).

Já fizemos o alerta quanto ao aumento significativo de novos casos COVID-19 entre pessoas que contam de 0 a 19 anos. Isto consta dos dados publicados no sítio eletrônico da Prefeitura, e, por consequência, são dados oficiais. Confira-se os dados publicados em 02 de junho de 2021:

JOÃO LUIZ AZEVEDO (advogado)