Na sessão ordinária da Câmara desta terça-feira a vereadora Dra. Regina, mais uma vez preocupada com a questão ambiental em nosso município, apresentou um requerimento solicitando uma audiência pública para tratar do tema “Políticas Públicas para o Tratamento dos Resíduos Sólidos no Município de Poços de Caldas”. A intenção é tratar e dar a devida atenção a temas como o Plano Municipal de Resíduo Sólido, obter informações sobre o gerenciamento dos resíduos sólidos do município, entender a situação atual do lixão, observar a situação das cooperativas de reciclagem, entre outros.

Ainda durante a sessão, Dra. Regina, de forma dura, cobrou a verdade da secretária Ana Alice de Souza em relação aos pedidos de informações encaminhados ao setor de administração de pessoas da prefeitura municipal. “Todos os pedidos de informação dessa casa à Secretaria de Administração trazem respostas não compatíveis com a realidade. Não se pode faltar com a verdade com essa casa. “Existe até mesmo um inquérito civil sobre a questão das incorporações”, disse. “Nós precisamos saber o que de fato está acontecendo em relação a este assunto”, completou.

Ao defender a autoria da Moção de Repúdio pela forma como foi conduzido o depoimento da médica Nise Yamaguchi durante sua oitiva na Comissão Parlamentar de Inquérito, que visa a apuração das ações do governo federal no combate à Covid-19, Dra. Regina lembrou que não gosta de fazer este tipo de moção, mas justificou afirmando que em certas ocasiões não sobra outra alternativa.

Segundo a vereadora, quando se falta com respeito a liberdade de pensamento, a democracia, a uma mulher, que não é a primeira que sofreu este tipo de agressão na CPI, onde basta ser a favor do tratamento precoce para ser considerada como uma inimiga do país, dos senadores, do Brasil, lamentou Dra. Regina.

Na opinião da vereadora a CPI é importante, porém está desviada do seu objetivo, que seria a busca de provas de fraudes e desvio de dinheiro público. “Esta moção eu faço não só em nome da Dra. Nise, imunologista, oncologista, cientista e com inúmeros títulos, que foi questionada de que não sabe o que é um protozoário, por um doutor, por um médico. Onde está a democracia, onde está a liberdade? Democracia sem liberdade é ilusão, então é uma ilusão que estamos vivendo neste país. É um absurdo não poder pensar, não poder manifestar sua opinião e ser tratada da forma como a doutora Nise foi”, disse. A moção foi aprovada por 9 votos.

Por fim, Dra. Regina comemorou o parecer pela aprovação de um projeto de lei que dispõe sobre o direito do idoso, das pessoas com mobilidade reduzida e das pessoas portadoras de doenças crônicas de receber seus medicamentos de distribuição gratuita em casa. Ela agradeceu a todos que colaboraram por essa aprovação que tem como intuito humanizar e facilitar a vida dos pacientes.