A toque de caixa

No final de 2016, último ano da administração anterior, o projeto de lei para a revisão do Plano Diretor estava pronto para ser levado ao plenário para votação e tinha como relator Tiago Cavelagna, hoje titular da Secretaria de Planejamento. Como alguns empresários do ramo imobiliário reclamavam de “imperfeições” (claro, que de seus interesses) o projeto foi retirado pelo prefeito eleito Sérgio Azevedo, com a promessa de retornaria ao legislativo no primeiro semestre do novo governo.

Dois anos e meio depois o projeto continua parado na mesa do secretário que agora, diante do “aperto” dado pelo Ministério Público, decidiupromover as alterações solicitadas a toque de caixa, devendo reenviar o projeto para a Câmara nos próximos dias.

Ou seja, vai “empurrar” a batata quente de novo para os vereadores, assim como fez com o Plano de Mobilidade Urbana e a elaboração do edital da licitação para o transporte coletivo, tarefas que caberia a Secretaria de Planejamento e que foram repassadas para a Secretaria de Defesa Social.

 

Sondando o ambiente

Quem conversa, ou presta atenção nas entrevistas do ex-prefeito de Caldas e primeiro suplente de deputado estadual pelo PTB, Ulisses Guimarães, percebe que ele mal consegue disfarçar o desejo de concorrer ao comando da prefeitura de Poços na eleição do ano que vem.

O mais difícil será vencer a fama de ser de fora, por ter sido prefeito em Caldas, com atuação apagada por aqui. Em todo caso, é um nome a ser avaliado, uma vez que na eleição para deputado levou 20 mil votos dos nossos eleitores.

Fechar Menu