Ao participar ontem da tribuna livre da Câmara, o empresário Luiz Antonio Batista, proprietário da BM, responsável pela construção do empreendimento Sonho Dourado I, disse que hoje a Secretaria de Planejamento inexiste, porque sequer consegue cuidar do que lhe é devido e muito menos planejar o futuro. Afirmou que estamos enfrentando um problema, que se torna crucial e que não deveria existir. Informou que o empreendimento deveria ser entregue em outubro do ano passado, conforme foi “cantado em prosa e verso durante a campanha eleitoral, como uma grande conquista da administração municipal”, mas a Secretaria de Planejamento levou 2 meses para fazer o habite se da obra, o que em outras cidades e até em Poços leva-se no máximo 15 dias.

“O que se olhava ali não era a preocupação com as 300 famílias que estavam desesperadas para adentrar nos imóveis. A preocupação, talvez, fosse criar dificuldades para que o processo fosse jogado prá frente”, afirmou. A alegação na demora era de que as vagas para carros, que deveriam ter 2.40 m tinham, em alguns casos, 2,38m. “A diferença é de um dedo e eles criaram caso. A gente sabe que as vezes deparamos com pessoas que colocam  obstáculos ao invés de usar o bom senso para resolver as coisas, mas tudo bem, fomos buscar soluções, que não era desmanchar tudo por causa de 2 centímetros em uma vaga e conseguimos superar isto e só no dia 28 de dezembro conseguimos ter este habite se em mãos”, lembrou Luiz Batista, recordando que no começo de janeiro de 2021 a empresa deu entrada junto ao Cartório de Registro de Imóveis para fazer a averbação dos apartamentos e para surpresa, uma semana depois,  foram chamados no cartório onde foram informados que não era possível a averbação porque o empreendimento não tinha acesso.