* Embora os vereadores da CPI das Férias estejam lamentando o não comparecimento do prefeito Sérgio Azevedo para ser ouvido na comissão, na verdade, o convite nada mais é do que uma maneira encontrada para expor o chefe do executivo uma vez que o Ministério Público já se manifestou pela legalidade a respeito do pagamento feito ao chefe do executivo por indenização por férias e a própria secretária de administração, a quem cabe efetuar o pagamento já foi ouvida na CPI. Já passou da hora de os vereadores desta comissão redigir o relatório final e encerrar os trabalhos.

* Coordenador regional do Partido Novo e pré-candidato a deputado federal, André Vilas Boas marcou presença ontem, em Guaxupé, na visita do governador Romeu Zema para um encontro com cafeicultores. Também esteve por lá, representando o deputado Mauro Tramonte (Republicanos), o seu assessor parlamentar Demilton Vacarelli.

* Representantes da Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil se reuniram com o relator da reforma do IR no Senado, Angelo Coronel, PSD-BA, para propor mudanças na reforma do Imposto de Renda. A proposta que tramita na Câmara estabelece um adicional de 1,5% na alíquota sobre ferro, cobre, bauxita, ouro, manganês, caulim e níquel da Compensação Financeira por Exploração Mineral (CFEM), cobrada pelo governo federal e dividida com Estados e municípios ligados à atividade. Poços de Caldas seria um dos municípios beneficiados pela mudança.

* O Governo de Minas Gerais anunciou nesta quarta-feira a construção do terceiro maior centro logístico do país, o BWP Business Park, em Extrema, Sul de Minas. Serão investidos R$ 750 milhões no empreendimento, que vai gerar 6.500 empregos diretos. De acordo com a administração estadual, serão estabelecidos dois parques logísticos de e-commerce, somando oito galpões construídos em 400 mil metros de Área Bruta Locável), o que equivale a 38 campos de futebol.

* Ao usar a tribuna da Câmara, ontem, o vereador Lucas Arruda informou que três salas de aula da escola José Avelino de Melo, na Fazenda Lambari, estão tendo problemas com goteiras. “Não dá para saber se a chuva está dentro ou fora das salas de aula. Quase dois anos com as escolas fechadas e hoje, com a volta às aulas, estas 3 salas continuam impossíveis de se utilizar. Fazemos a cobrança para que isso seja resolvido o mais rápido possível”, defendeu o vereador.