* Como era esperado, os partidos que denunciaram o vereador Claudiney por apologia ao nazismo e fascismo, encaminharam ofício à mesa diretora da Câmara solicitando a declaração de suspeição e afastamento do atual corregedor, vereador pastor Roberto Santo (Republicanos), no referido processo e a nomeação de outro vereador para atuar como corregedor, como forma de manter a imparcialidade no julgamento do vereador acusado. O presidente Marcelo Heitor encaminhou o pedido para a assessoria jurídica da Casa para parecer.

* Ainda não tem nada definido, mas a possibilidade de o vereador Marcelo Heitor (PSC), se lançar como candidato a deputado estadual é uma possibilidade que não está descartada, até porque a direção regional do seu partido já sondou o presidente da Câmara sobre esta possibilidade. E pela lógica, Marcelo teria melhor chance de conquistar vaga na Assembleia do que o vice-prefeito Júlio de Freitas, do Democratas, que já posa como pré-candidato.

* Na eleição anterior, o PSC elegeu deputado com 21.373 votos. Já o DEM, partido ao qual o vice-prefeito está filiado precisou de 55.373 votos para eleger Alencar Jr. o último menos votado que conquistou vaga de deputado estadual. Sem carisma, em primeiro mandato, sem nunca ter participado da política e completamente desconhecido na região, a chance de Júlio de Freitas ser eleito é muito menor que a de Marcelo.

* Como havia anunciado, o vereador Kleber Silva, viajou para Belo Horizonte. Foi correr atrás do prejuízo para tentar reverter a retirada do setor de emergência cardiológica do Hospital Santa Lúcia, o Hospital do Coração. Será difícil mudar esta situação porque a decisão já está tomada e o hospital da Santa Casa se prepara para assumir o serviço.

* Na verdade, a direção do hospital Santa Lúcia, assim como o pessoal do Novo e até mesmo da secretaria municipal de saúde dormiram no ponto, uma vez que as tratativas para a transferência do setor, como parte do programa “Valora Minas”, já vinha se desenvolvendo faz um bom tempo, tendo a direção do hospital da Santa Casa trabalhado em silêncio, até porque como hospital filantrópico, o direito, segundo a Constituição, cabe a Santa Casa a prestação deste tipo de serviço e não a um hospital privado.