* Voltou a circular nos bastidores da politica sulfurosa o nome do promotor de justiça Glaucir Antunes Modesto como provável candidato, se não for na eleição de deputado em 2022, para disputar o comando do executivo em 2024 com apoio inclusive do grupo que comanda hoje o andar de cima da casa amarela.

* Ainda não foi desta vez que o governo do Estado entrou em acordo com a Associação Mineira de Municípios (AMM), para definir de que forma se dará o pagamento dos R$ 6,8 bilhões que o Estado deve aos municípios (R$ 9 milhões para Poços de Caldas), divida que o ex-governador, o caloteiro Fernando Pimentel deixou de herança para o seu sucessor. O prazo inicial estipulado pelo MP para fechar o acordo se encerraria neste sábado (7) e foi prorrogado até o próximo dia 30 de agosto.

* O grupo político de Alexandre Kalil (PSD) estuda reativar a Frente Mineira de Prefeitos (FMP) e articular para que o prefeito de Belo Horizonte seja eleito presidente da associação. A iniciativa marcaria o esforço mais visível para tentar aumentar a influência de Kalil no interior, já visando às eleições de 2022.

* Estamos avançando no segundo semestre deste primeiro ano do novo mandato do prefeito Sérgio, sem uma definição quanto ao projeto de revisão do Plano Diretor que segundo consta, está dormindo em uma das gavetas na sala ocupada pelo presidente da Câmara, Marcelo Heitor. A última notícia sobre o assunto foi a de que o chefe do executivo solicitou ao presidente aos vereadores da sua bancada foi para que aprovem o projeto como está até que sejam estudadas novas alterações. Ou seja, tudo voltou a estaca zero e continua como estava em novembro de 2016, antes do prefeito tomar posse no cargo em seu primeiro mandato.