* O planejamento da nova indústria prevê produção de 1 milhão de peças por ano, empregando cerca de 600 funcionários. Neste novo negócio, serão produzidos itens de cinco linhas junto a parceiros nacionais e internacionais. Serão fabricadas pias, cubas e vasos sanitários, entre outros itens.

* Uma terceira indústria, com atuação no mesmo ramo, mantém tratativas com a Secretaria de Desenvolvimento e Trabalho (Sedet) para se instalar em Poços de Caldas. Trata-se da Mondialle, com sede em Santa Bárbara D’oeste, interior paulista. Ela iniciou as suas atividades em abril de 1993 e hoje se situa como uma das marcas de maior tradição no setor de banheiras de hidromassagem e louças sanitárias, a empresa possui duas plantas no território nacional e a terceira poderá ser em Poços de Caldas.

* Como o prefeito Sérgio Azevedo já definiu que os R$ 7 milhões que a prefeitura vai receber do governo do estado como parte do acordo com a Vale serão aplicados exclusivamente em infraestrutura, seria interessante de destinasse parte dessa verba para a construção de uma Estação de Tratamento de Esgoto para servir as inúmeras indústrias que estão instaladas e outras em fase de análise para implantação de novas unidades no Distrito Industrial. O DME deve em breve construir uma subestação para a geração de energia e o DMAE poderia dar uma solução também para o esgoto orgânico a ser coletado nas indústrias.

* Julvan Lacerda, presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), que tem Poços de Caldas como um dos municípios filiados, está decepcionado com o governador Romeu Zema que parece ter mudado de postura nas últimas semanas, primeiro se colocando contra os deputados que votaram a favor do repasse de R$ 1,5 bilhão para as prefeituras mineiras, chegando a afirmar que deputado tem que “tirar a bunda da cadeira”, e ontem, ao não receber o presidente da AMM e alguns prefeitos, para uma reunião agendada com antecedência onde seria tratado assunto referente ao acordo que envolve quase R$ 7 bilhões na área de saúde, dinheiro que o Estado deve aos municípios.

* Revoltado por não ser recebido pelo governador, o presidente da AMM gravou vídeo na entrada a Cidade Administrativa, onde afirma que Romeu Zema (Novo) reteve, nos últimos dois anos, R$ 4 bilhões de verbas da saúde. “Não é dinheiro que não veio de outro lugar não, é dinheiro que entrou no caixa do estado quando você pagou o imposto. O dinheiro está parado, eles estão preocupados é em fazer caixa, encher o caixa do Estado. Governo não é para encher caixa, é para prestar serviço para o cidadão, o dinheiro é só para passar aqui e voltar para o cidadão em forma de serviço público”, disparou Julvan Lacerda.

* Perguntado no programa Boca Boa, sobre como vai a candidatura a deputado federal, o secretário de governo Celso Donato deu a seguinte resposta: “minha preocupação, neste momento, é trabalhar pela cidade, ainda estamos vivendo um momento difícil por conta da pandemia, a população não quer saber de eleição, a população não está preocupada com a eleição do ano que vem. O que eu posso dizer é que Poços está perdendo muito por não ter deputado federal. Não vou dizer deputado estadual, porque tem o deputado Mauro Tramonte, que é daqui da cidade, mesmo assim poderíamos ter mais um representante na Assembleia Legislativa”.